Jundiaí

Em uma semana, cresce em 40% os casos confirmados de dengue


ZOONOSES LARVAS DO MOSQUITO DA DENGUE AEDES AEGYPTI
Crédito: Reprodução/Internet
Os casos confirmados de dengue em Jundiaí têm aumentado a cada novo boletim divulgado da Vigilância Epidemiológica (VE), órgão ligado à Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS). Até dia 22 de fevereiro foram realizados 198 notificações de dengue na cidade, sendo 41 confirmações (31 autóctones e 10 importados) e 42 em aguardo de resultados: 40% a mais em relação ao boletim do dia 15 de fevereiro, com 30 casos confirmados da doença. Não há notificações para zika ou febre amarela, porém para chikungunya há quatro casos sem confirmações e aguardando exames. Segundo dados da unidade, neste período as ocorrências confirmadas foram registradas no Jardim São Camilo (17), Jardim Paulista (3), Jardim Novo Horizonte (4), Bom Jardim (1), Vila Nambi (1), Vila Aparecida (3), Vianelo (1) e Jardim Pacaembu (1). Todos os bairros recebem ações de investigação epidemiológica assim que os casos são notificados para futura ação de eliminação de criadouros. Nos próximos dias será encerrada a análise do Índice de Breteau (IB) para pontuar ações complementares da Unidade de Vigilância de Zoonoses (UVZ). A parceria com o 12º Grupo de Artilharia de Campanha Barão de Jundiahy será realizada em março, em data a ser definida conforme calendário da corporação. Durante o ano inteiro o tema é trabalhado com a população para a conscientização da necessidade de evitar o acúmulo de materiais que possam servir como criadouros dos mosquitos Aedes aegypti. PELA REGIÃO Em Itupeva, de acordo com dados oficializados da Prefeitura de Itupeva, por meio da Unidade de Vigilância de Zoonoses (UVZ), não há casos registrados de dengue, zika ou chikungunya na cidade, mas as vistorias são realizadas periodicamente. Em Várzea Paulista também não há casos confirmados das doenças provenientes do mosquito Aedes aegypt, mas os estabelecimentos de saúde estão sensibilizados para aumentar a suspeitabilidade no período de maior risco fevereiro até abril. Quanto aos casos de dengue em 2019, temos 26 notificados, dos quais 24 com resultado negativo e dois considerados suspeitos, com investigação aberta e a realização do BCC (bloqueio e controle de criadouro), com visitação aos imóveis no entorno do paciente suspeito para eliminação dos criadouros. Até agora foram feitas 3.108 visitas domiciliares para o controle do Aedes aegypti (visitação casa a casa, pelos agentes que fazem o controle da dengue); As vistorias têm como pontos estratégicos(estabelecimentos com potencial da dispersão passiva do Aedes aegypti, como, por exemplo, comércios de sucata, depósitos de carros e borracharias); Os bairros prioritários por questões epidemiológicas são aqueles onde há uma densidade demográfica maior: Vila real, Cidade Nova II, Vila Popular, Jardim Promeca. Com essa linha de pensamento, o setor iniciou os trabalhos do controle da dengue em 2019 no bairro do Cidade Nova 2, por apresentar um risco epidemiológico, pela densidade populacional do bairro. As demais cidades do AUJ, Louveira, Cabreúva e Campo Limpo não retornaram com seus dados atualizados até o fechamento desta edição. ZOONOSES LARVAS DO MOSQUITO DA DENGUE AEDES AEGYPTI

Notícias relevantes: