Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Escolas incentivam alunos a ter alimentação saudável

DA REDAÇÃO | 22/05/2019 | 05:04

Em um mundo com apelos sedentários e alimentação ‘fast food’, as escolas também incorporam a necessidade de orientar adequadamente sobre o consumo de alimentos saudáveis e ricos em vitaminas para o desenvolvimento dos estudantes. As Unidades de Gestão de Educação (UGE) e Promoção da Saúde (UGPS) realizam ações “Enfrentamento à Obesidade Infantil” e “Crescer Saudável”, atendendo a todas as faixas etárias do ensino municipal, com oferta de alimentos naturais e orgânicos na merenda, atividades físicas, palestras e acompanhamento nutricional a partir da rede de atendimento básico.

Segundo dados do Vigitel (sistema de vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico), do Ministério da Saúde, a obesidade é maior entre as pessoas com menor escolaridade. Ainda pelo mesmo estudo, houve crescimento de 60% da obesidade entre os anos de 2006 e 2016 em adultos. Na faixa etária entre 5 e 9 anos, uma em cada três crianças brasileiras estão acima do peso. O Estudo de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes de 2015, do Ministério da Saúde, 8,4% dos adolescentes brasileiros estão obesos.

Jundiaí conta com 37 mil estudantes das Escolas Municipais de Educação Básica (Emebs). Em 2017, 1,2 mil crianças de cinco unidades escolares que receberam o programa “Enfrentamento à Obesidade” – em com análise de estudantes entre 9 e 10 anos – 25% estavam acima do peso e receberam orientações a partir de atividades realizadas em parceria com alunos da Faculdade de Medicina de Jundiaí (FMJ) e Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS) sobre o cuidado necessário com a alimentação, a importância das atividades físicas, inclusive com a sensibilização dos pais e ou responsáveis participando de encontros específicos sobre o tema. Neste ano, o projeto está sendo desenvolvido em 27 unidades, com mais de 5,4 mil alunos dos 3º e 4º anos.

Com o alinhamento do programa desencadeado em 2017, em conjunto com o Crescer Saudável, além da ação direcionada para o ensino fundamental, as crianças das 40 unidades inscritas no PSE passarão por acompanhamento específico sobre o tema, com levantamento sobre peso, altura, avaliação nutricional, educação para alimentação saudável e atendimento pela rede de atenção básica. O trabalho já está em andamento e tem o ciclo determinado até 2020 para a apresentação dos dados ao Ministério da Saúde.

O tema, no entanto, não é restrito apenas às unidades do PSE. A orientação sobre alimentação saudável e a ofertas de produtos orgânicos acontecem em toda a rede. Outra novidade, neste ano, é a inclusão dos estudantes da Escola Superior de Educação Física (Esef) que farão trabalhos direcionados para a promoção de atividades físicas entre os 37 mil alunos da rede.

A obesidade é um problema que deve ser atentado desde a infância para evitar agravos na vida adulta e que causarão doenças graves. “Em 2017 demos início ao enfrentamento e em 2018, o tema passou a ingressar a grade da Escola Inovadora, com capacitação dos profissionais das escolas, além do incentivo à implantação das hortas nas escolas e a oferta de merenda com legumes e verduras orgânicos. Neste ano agregamos o programa Crescer Saudável, um braço do Programa Saúde na Escola (PSE), que tem os mesmos objetivos, e atenderá a integralidade dos estudantes”, explica o Prefeito Luiz Fernando Machado.
“A inclusão das hortas escolares foi um grande ganho para as crianças, que aprenderam sobre os alimentos fazendo o cultivo, – um estímulo à experimentação. Os alunos são replicadores de informações e, em casa, disseminam o conhecimento. Diariamente recebemos comentários de pais relatando situações apontadas pelos filhos sobre a alimentação e os legumes e verduras que experimentaram e gostaram”, comenta a gestora da UGE, Vasti Ferrari Marques.

Animada com as informações que tem recebido na escola sobre a alimentação saudável, a Nicole Moreira Fernandes, 9 anos, agregou à alimentação os legumes e verduras que antes não faziam parte do prato. “Eu comia muita comida gordurosa e não experimentava os legumes e verduras. Aprendi aqui na escola, com a horta que cuidamos, a importância das saladas e deixei de tomar refrigerante. Agora tomo sucos naturais”, comenta a menina que também passou a ler os rótulos dos produtos antes de consumir.

T_alimentaçãosaudável


Link original: https://www.jj.com.br/jundiai/escolas-incentivam-alunos-a-ter-alimentacao-saudavel/
Desenvolvido por CIJUN