Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Gravidez na adolescência cresce 4,5% em Jundiaí neste ano

KÁTIA APPOLINÁRIO - ESPECIAL PARA O JORNAL DE JUNDIAÍ | 01/07/2018 | 05:30

De janeiro a maio deste ano, 255 adolescentes entre 10 a 19 anos engravidaram em Jundiaí, segundo dados da prefeitura. No mesmo período do ano anterior, foram registradas 244 jovens grávidas, um aumento de 4,5%. O Hospital Universitário (HU) da cidade, que é referência na Região para partos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), atendeu neste ano 44 adolescentes de 18 anos; 34 de 17 anos; 27 de 16 anos; 14 de 15 anos e outras 4 de apenas 14 anos. Na maioria dos casos, são jovens solteiras, estudantes e dependentes emocional e financeiramente de familiares.

Marcelle Vitória de Morais, de 17 anos, deu à luz a pequena Stefany na terça-feira (26) e conta que não foi fácil encarar a gravidez e as mudanças em sua vida. “Minha rotina era escola e trabalho. Quando contei para a minha patroa do ocorrido, fui demitida. Não pude fazer nada, porque não tinha registro”, relata a jovem, que, mesmo após o susto inicial, seguiu com a gestação e diz que não se arrepende. “Quando peguei minha filha nos braços pela primeira vez, toda a dor do parto sumiu”, conta.

CLIQUE AQUI E LEIA OUTRAS NOTÍCIAS SOBRE JUNDIAÍ

Afeições à parte, encarar uma gravidez na adolescência pode ser arriscado, alertam os médicos. “Como a jovem está em fase de desenvolvimento, pode ocorrer a repressão do crescimento, ou seja, o corpo dela não se desenvolve tanto quanto deveria”, explica o ginecologista e obstetra do HU, Juan Melgar. “Sem falar que há maiores chances de quadros de hipertensão, e o risco de parto prematuro justamente porque a estrutura do corpo da menina não está preparado para receber um bebê”, reforça o médico, indicando que o ideal é que engravidar dos 21 aos 35 anos.

Além do risco físico, ser mãe durante a adolescência pode afetar o psicológico. “O que acontece no caso da gravidez é que ainda não há a maturidade, e a jovem acaba pulando fases. Em um momento da vida de autoconhecimento e aprendizado, ela passa a ter que assumir uma carga além das suas condições e conhecimento”, analisa a psicóloga Elisangela Fernandes Peixoto. Ingryd Lima, de 18 anos, passou por momentos difíceis até aceitar a gravidez. “Tomei pílula do dia seguinte e comprei um teste só por precaução, mas na primeira tentativa já deu positivo. Insisti e fiz mais dois testes”, conta a jovem, que confessa ter cogitado um aborto.

Ingryd tem pedra na vesícula e no rim, por isso sua gravidez é mais complicada e exige cuidados extras. Em casos como o dela, a gestante deve ter ainda mais atenção ao pré-natal, procedimento que as grávidas devem fazer para acompanhar o desenvolvimento do feto e evitar possíveis problemas ao longo da gestação. “Justamente por ser uma paciente de risco, a adolescente precisa ser acompanhada com um pré-natal de alto risco”, diz o ginecologista, revelando que 25% dos partos realizados no Hospital Universitário são de adolescentes.

PREVENÇÃO

Para o médico, o problema da gravidez na adolescência não é a falta de informação, mas sim o descuido dos jovens. “O que acontece é que ao iniciarem a vida sexual, muitos jovens não se cuidam como deveriam, não usam camisinha e não tomam a pílula da forma adequada porque acham que nunca vai acontecer com eles”, alega.

Segundo a Unidade de Gestão de Saúde, todas as unidades básicas de saúde (UBSs) da cidade oferecem preservativos gratuitamente, bem como atendimento com médicos e palestras sobre planejamento reprodutivo. A UBS Retiro, inclusive, em parceria com a Associação de Moradores do bairro, passou a distribuir preservativos em pontos estratégicos do bairro depois que uma pesquisa identificou que os jovens têm vergonha de retirá-los no equipamento de saúde.

A psicóloga aconselha que os pais dialoguem com seus filhos já na pré-adolescência. “É importante esclarecer as dúvidas que as crianças vão apresentando, e isso deve ser feito de forma clara e objetiva”, constata.

Depois do susto, Marcelle Vitória, de 17 anos, não consegue esconder a alegria ao segurar a filha Stefany nos braços

Depois do susto, Marcelle Vitória, de 17 anos, não consegue esconder a alegria ao segurar a filha Stefany nos braços


Link original: https://www.jj.com.br/jundiai/gravidez-na-adolescencia-cresce-45-em-jundiai-neste-ano/
Desenvolvido por CIJUN