Jundiaí

Heróis surgem para quem precisa de ajuda em meio à tragédia

CHUVAS BOMBEIRO EQUIPAMENTO PARA RESGATE NA CHUVA BOMBEIROS
Crédito: Reprodução/Internet
As intensas chuvas dos últimos dias, inclusive com alagamento de casas, pessoas desabrigadas e áreas interditadas, fizeram com que alguns heróis surgissem em meio a tragédia. De bombeiros a agentes da Defesa Civil, os profissionais fizeram a diferença durante os resgates. Na última quarta-feira (12), por exemplo, homens do 19º Grupo de Bombeiros de Jundiaí foram enviados para Cabreúva para reforçar a equipe de Força-Tarefa. O tenente Flávio Medrado de Souza estava no comando da operação como oficial responsável pelas ocorrências e relata a intensidade do trabalho. "Eu e o comandante da estação de bombeiros de Itupeva percorremos de helicóptero mais de 70 km de estradas rurais afetadas pelas enchentes", conta o profissional, alegando que nenhuma dificuldade deve limitar o trabalho. E completa. "Independente da dificuldade com o equipamento ou dos entraves oferecidos pelo local da operação, oferecer segurança às pessoas é o principal foco dos escalados", completa valendo-se de que, em situações de grande dimensão, o trabalho do Corpo de Bombeiros sempre opera ao lado de outros órgãos, como a Defesa Civil, a Polícia Militar e o Grupo Águia. O Secretário de Segurança Integrada da Defesa Civil de Campo Limpo Paulista, Bruno Galvão, conta que nessas ocasiões o treinamento faz toda a diferença para a eficiência da estratégia realizada. "Todos os nossos integrantes passam por um treinamento. Quando atendemos uma ocorrência, o procedimento é realizado em conjunto com a Guarda Municipal. Nós fazemos o deslocamento até o local de risco e traçamos o plano de ação", explica. Atuando em campo na Defesa Civil há 12 anos, o agente Ademir Polli já participou de grandes operações e todas requerem uma preparação prévia. "Sempre tomamos as providências imediatamente e em seguida notificamos o morador para que desocupe o imóvel. Posteriormente fazemos um ofício que é encaminhado para os demais órgãos da prefeitura para dar assistência à área.” No Corpo de Bombeiros, o procedimento é parecido. "Toda ocorrência é definida com a técnica dos processos operacionais que nós dispomos. Ações de salvamento ou de resgate, por exemplo, são reguladas por procedimentos operacionais padrão", afirma Medrado. Em situações complexas, o apoio emocional acaba fazendo parte do trabalho da equipe. "Embora nossa realidade seja a de participar dos momentos mais difíceis na vida dessas pessoas, nós nos compadecemos em determinadas situações, afinal de contas nós somos humanos. Em nosso patrulhamento, o maior esforço é o de retirar vítimas em situações de risco, mas é claro que conversamos com as pessoas afetadas diretamente por esse problemas. São pessoas que perderam tudo, que choraram no local. Acabamos oferecendo um ombro para falar uma palavra amiga e prestar apoio a essas famílias e isso acaba fazendo toda a diferença", completa. O agente Polli também relembra de alguns momentos de sua carreira. Um trabalho que vai além da operação de resgate. "Socorremos uma senhora que estava trafegando por uma rua totalmente inundada. A água estava chegando na altura de seus joelhos e invadiu a casa dela. Mesmo assim, após seu resgate, ela se ofereceu para nos ajudar", relata emocionado. Independente da contribuição para as missões, a gratidão é unânime entre esses profissionais. "Sem dúvidas é uma profissão gratificante que requer força de vontade e determinação para superarmos todas as situações com as quais nos deparamos", afirma Polli.

Notícias relevantes: