Jundiaí

Jundiaí abriga discussão regional da saúde de gestantes

O fortalecimento da atenção para as mulheres grávidas foi o tema principal do encontro realizado nesta terça-feira (1º), no Paço Municipal de Jundiaí, pelo Colegiado Gestor Regional de Saúde da AUJ (Aglomeração Urbana de Jundiaí). O foco do encontro foi o aprimoramento da cooperação entre as sete cidades da região.
“Uma das iniciativas foi reformularmos o grupo condutor regional, que é liderado pelo nosso grupo condutor municipal”, explicou o diretor de análise da Secretaria Municipal de Saúde, Tiago Texera.

Lembrando que Jundiaí conseguiu reduzir o índice de mortalidade infantil para um dígito (9,71) em 2013 sobre o ano anterior (10,62 óbitos por cada mil nascidos vivos), a articuladora da Diretoria Regional de Saúde do Estado (DRS 7), Lígia Maria Bestetti, afirmou que a meta é redefinir os parâmetros de atuação das redes.

Dessa maneira, todas as cidades que possuem hospitais em funcionamento ou em reforma, que são Campo Limpo Paulista, Itupeva, Várzea Paulista, Jarinu, Cabreúva e Louveira, serão fortalecidas para cuidar dos partos normais. No Hospital Universitário (HU), de Jundiaí, ficam os partos de risco da região ao lado dos demais partos da própria cidade. Nesses casos, os exames pré-natais da região também seguem no Ambulatório de Saúde da Mulher.

“O plano é reforçar a qualificação da rede de atenção básica para que esse cenário seja bem utilizado”, acrescentou Lígia.

Conceito

A reestruturação em rede é um conceito semelhante ao da urgência e emergência, que tem o Hospital São Vicente de Paulo como ponto estruturante, vai contar com o Hospital Regional como ponto de apoio estratégico e os hospitais municipais como apoio. Dentro de Jundiaí, essa linha também orienta a criação de novas unidades de pronto-atendimento em tempo integral (UPA) em rede com o hospital.

O debate também abordou as visitas de monitoramento da Rede Cegonha, programa do Ministério da Saúde, que foca a área de atenção básica para qualificação do trabalho pré-natal na cidade e na Região.

De acordo com a diretora de planejamento da DRS 7, Carla Fortuna, o encontro também foi aproveitado para o debate dos riscos da disseminação do vírus Chikungunya, aparentado com a dengue e confirmado em ex-soldados brasileiros no Haiti, e sobre as novas medidas de oncologia voltadas para a resposta aos pacientes de câncer dentro do novo prazo legal de 60 dias.

Diversos profissionais da Secretaria Municipal de Saúde participaram da organização e dos debates do encontro, ao lado de técnicos das demais cidades da Região.


Notícias relevantes: