Jundiaí

Jundiaí tem 14 casos de violência contra a mulher em dois dias


No último final de semana, 14 casos de violência doméstica foram registrados na Polícia Civil de Jundiaí. Entre os Boletins de Ocorrência se destacam lesões corporais, ameaças à integridade e à vida das vítimas e ainda invasão de privacidade. As ocorrências aconteceram nos bairros Santa Gertrudes, Tarumã, Tulipas, Alvorada, Anhangabaú, Torres de São José, Bonfiglioli, Jardim Novo Horizonte, Jardim do Lago e Jardim Pacaembu, a maioria entre a meia-noite e as duas da manhã, no sábado e no domingo. Segundo os B.O.s, a maioria das agressões se concretizou por conta de discussões que começaram devido à alteração de humor dos autores por causa de ciúme, não aceitação do término do relacionamento, embriaguez e uso de drogas. Casos mais graves Às 23h do sábado (23), no bairro Santa Gertrudes, a vítima foi agredida pelo namorado com chutes, socos e tapas, além de ser esganada e levar cuspidas no rosto. Ela está grávida e contou à polícia que não é a primeira vez que é agredida e é constantemente ameaçada de morte. O autor não foi preso. Na madrugada do mesmo dia, outra vítima teve sua vida ameaçada. Ela estava em um bar no Anhangabaú com suas amigas quando seu ex-namorado chegou ao local ameaçando-a e em seguida a enforcou. A moça desmaiou e, mesmo nessas condições, os seguranças do local não fizeram nada para socorrê-la. Ao acordar com seu agressor ainda ao seu lado, ela tentou fugir, mas ele a alcançou agredindo-a novamente com socos, tapas e mordidas no rosto. A situação só parou quando um casal que passava no local abordou o autor e pediu para que ele parasse. A moça foi levada a delegacia e o autor não foi preso. No domingo (24), às 6h, a vítima, uma moradora do Jardim Tulipas, teve lesões na parte interna da boca, orelha e braço em decorrência de uma agressão de seu marido motivada por ciúme. O acusado confessou a agressão, foi conduzido ao Centro de Triagem de Campo Limpo Paulista e preso em flagrante. A Lei Maria da Penha, sancionada em 7 de agosto de 2006, tem como objetivo proteger a mulher contra qualquer agressão física, psicológica, verbal e emocional. Qualquer pessoa que passe ou presencie situações como essas pode entrar em contato pelo disque-denúncia (180), que é anônimo ou comparecer à delegacia da mulher. Só em janeiro, 106 mulheres foram vítimas de feminicídio no Brasil. VIOLENCIA SEXUALABUSO SEXUALESTUPRO

Notícias relevantes: