Jundiaí

No dia mundial de combate ao AVC, o alerta é para a prevenção


DERAME CEREBRAL JOSE SOUZA SOS SANTOS
Crédito: Reprodução/Internet
Um em cada quatro brasileiros terá um Acidente Vascular Cerebral (AVC) ao longo da vida. As informações são da Ong Rede Brasil, criada para melhorar a assistência do paciente em todo o país. E, justamente para evitar o avanço da doença e lembrar que é preciso cuidar da saúde e mudar os hábitos de vida, que hoje foi instituído o Dia Mundial de Combate ao AVC. A ideia é mostrar que os cuidados antecipados resultam na redução de 90% dos casos. Em Jundiaí, não há um número exato de quantas pessoas estão em tratamento da doença, mas, segundo adiantou o Hospital São Vicente, a média no pronto-socorro para este atendimento oscila entre 34 e 36 por mês. Um atendimento que foi essencial na vida do marceneiro José Souza dos Santos, de 58 anos, ao sofrer, em março deste ano, o terceiro AVC. O primeiro foi em 2008 como consequência de estresse, hipertensão e triglicéride alto. Foram dias e horas de várias sessões de fisioterapia e, quando achou que estava curado, veio o terceiro. “Em 2008 eu tive dois AVCs no mesmo dia. Foram questões de horas. Me senti mal e, quando cheguei no médico, já estava com a língua enrolada, paralisia no lado esquerdo e perda da fala por quatro dias. Fiquei assustado, mas tive que ter fé para fazer todo o tratamento e recuperar movimentos.” Quando achou que estava livre para seguir uma rotina normal, pelo menos seguindo as orientações médicas, ele teve o terceiro. “Estava almoçando com minha filha quando senti dores nas pernas. Fui direto para o hospital. Hoje em dia tomo medicamento para manter o controle das demais doenças e evitar que outro acidente aconteça. Infelizmente, por conta da idade, a gente não fica mais perfeito, mas consigo trabalhar e ter uma vida mais saudável”, conta. VÁRIOS TIPOS Segundo o clínico geral e cardiologista Marco Antônio Dias, existe alguns tipos de acidentes, e cada qual com uma consequência. Há um grupo de pessoas que tem perfil mais propenso a desenvolver o AVC Isquêmico, causado por formação de placas de ateroma (gordura) nas artérias carótidas e cerebrais. Essas placas de gordura promovem uma obstrução da artéria, levando a falta de fluxo sanguíneo para o cérebro, que por falta de oxigênio e nutrientes, tem morte das células comprometidas. Outro tipo é o Isquêmico embólico, causado por um coágulo de sangue que se desprende do coração e se dirige ao cérebro, obstruindo as suas artérias e com as mesmas consequências relatadas acima. Um novo tipo, segundo o especialista, menos frequente, é o hemorrágico. Resultado da ruptura dos vasos sanguíneos cerebrais, provocando hemorragia dentro do cérebro, que também sofre danos, geralmente mais graves. Já o trombótico ocorre mais frequentemente nos pacientes portadores de hipertensão arterial sistêmica, diabetes mellitus, dislipidemia (excesso de colesterol e triglicérides), tabagismo crônico, excesso de ácido úrico, estresse emocional, sedentarismo, obesidade, entre outros menos comuns. “Neste último caso, a partir dos 40 anos para homens e 50 anos para as mulheres, todos deveriam fazer um exame preventivo, tanto dos fatores de risco, quanto das condições das artérias carótidas e do próprio coração. Geralmente provoca sequelas, potencialmente graves, mas o indivíduo pode ficar totalmente sem sequelas (depende de vários fatores, entre eles, idade mais jovem”, comenta. ALERTA O cardiologista Marco Antônio Dias lembra que o AVC faz parte das doenças cardiovasculares que correspondem a 30% das causas de óbito, tanto no Brasil, quanto no mundo. Segundo alerta, para evitar os riscos, as pessoas precisam tratar os fatores de risco citados, entre outros detectados na história e exame físico realizado pelo médico. “Além de tratar os fatores de risco, devemos fazer tratamento para evitar o crescimento e instabilidade das placas de gorduras, como administração de AAS 100 mg por dia, estatinas para controlar o colesterol alto e estabilizar as placas de gorduras”, orienta. A cada ano, 13,7 milhões de pessoas tem um AVC no mundo, 5,5 milhões morrem e atualmente, existem 80 milhões de sobreviventes de AVC.   [caption id="attachment_71603" align="aligncenter" width="800"] DERAME CEREBRAL
JOSE SOUZA SOS SANTOS[/caption]

Notícias relevantes: