Jundiaí

Pacientes curados voltam para casa sob aplausos


T_WhatsApp Image 2020-04-22 at 15.31.10 (1)
Crédito: Reprodução/Internet
Ser diagnosticado com covid-19, passar dias isolado em um hospital sem receber visitas e ainda ter a constante preocupação com os parentes que ficaram em casa, são algumas das angústias de pacientes que ficaram internados para o tratamento do vírus. Pacientes que agora respiram aliviados por terem recebido alta hospitalar. Em Jundiaí, cerca de 20 pessoas já foram atestadas como curadas. Entre elas, estão a assistente administrativa Maria Cecília da Silva Risatto, de 36 anos, e sua mãe, Lídia Bernardino, de 63 anos. Ela e a mãe foram curadas pelo covid-19, porém os dias de internação foram de angústia para ambas. Pertencente ao grupo de risco por ter diabetes e pressão alta, Lídia Bernardino era a preocupação constante de Maria Cecília. “Meus primeiros sintomas foram febre, dor de cabeça e no corpo, mas eu estava preocupada com minha mãe. Minha mãe havia sido internada um dia antes, no Hospital São Vicente, também por covid-19. Eu fiquei no oxigênio, por conta disso fiquei em isolamento e sem poder receber visitas e isto foi horrível.” Ela conta que além de estar mal e ouvir frequentemente que seu quadro estava piorando, não sabia como sua mãe estava. “Eu não tinha notícias, pois estávamos em hospitais diferentes. Isso foi realmente difícil”, relata. Os sintomas de Maria Cecília começaram no início do mês, mas apenas três dias depois ela resolveu ir ao médico que, a princípio, tratou como sinusite, Depois disso, a febre e a dor passaram, mas ela conta que se sentiu muito cansada. “Eu tinha tontura e perdi completamente o apetite. Quando fui ao PA da Unimed já estava com muita falta de ar e ai tive que ficar internada”, conta.   Os sintomas de Lídia foram um pouco diferentes. Por ser parte do grupo de risco, foi ao médico quando sentiu febre e diarreia. Ela descobriu que estava com uma mancha no pulmão e foi internada no dia 10 de abril. Teve alta um dia antes da filha, no dia 17. “Minha maior preocupação era com minhas filhas. Uma estava internada com esta doença horrível. A outra acabou recentemente o tratamento de um câncer. Eu realmente fiquei com medo de não voltar mais para casa, para a minha família”, afirma a senhora. Mãe e filha não sabem onde contraíram a doença. O irmão de Maria Cecília chegou a apresentar sintomas de gripe, mas não foi realizado o teste para covid-19 e o caso não se agravou. Hoje, curadas, estão tomando todos os cuidados de forma redobrada. Apesar de estar bem, me sinto cansada, mas a médica tranquilizou dizendo que era normal até o pulmão se recuperar”, conta Maria Cecília. E completa. “Se eu puder dar uma dica para quem não está levando esta doença a sério eu digo para as pessoas ficarem em casa. Este vírus não é só uma gripezinha, mas logo tudo vai passar e ficaremos juntos novamente”, afirma esperançosa. Dia de glória Além da mãe e da filha, hoje foi um dia de alegria e superação para o empresário Pedro Cera, de 62 anos. Internado desde o dia 17 deste mês, ele foi diagnosticado com covid-19 e no final da tarde desta quarta-feira (22) recebeu a alta médica no Hospital de Caridade São Vicente de Paulo (HIV). Sob uma salva de palmas ele deixou caminhando a ala de internação e, perante a homenagem da equipe de saúde, disse emocionado. “Vocês ganharam mais um amigo para rezar por vocês”, diz. Após a alta, a recomendação é para que o paciente permaneça em isolamento por mais alguns dias.

Notícias relevantes: