Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Para Luiz Fernando, ação foi positiva para a Saúde

ARIADNE GATTOLINI | 01/06/2018 | 02:55

Um vídeo circulava ontem à tarde pelo WhatsApp, durante um atendimento domiciliar feito pela equipe do Hospital São Vicente, onde haveria a troca do tubo de oxigênio de paciente, idosa, dependente deste insumo. Mais de cem pacientes estão em internação domiciliar em Jundiaí e não tiveram seu atendimento prejudicado durante a crise de desabastecimento. A mesma situação ocorreu para os atendidos pela diálise e hemodiálise. Escolta feita pela PM de Jundiaí garantiu o acesso a insumos parados no Porto de Santos.

Esta antecipação só foi possível graças à instalação do Comitê de Crise da Prefeitura de Jundiaí, que estabeleceu prioridades no abastecimento e não deixou funcionários da saúde pública sem abastecimento de combustível, além das ações específicas para as escoltas dos insumos para a saúde. “Chegamos a receber algumas críticas por ter estabelecido cotas para os funcionários da saúde pública, mas isso foi fundamental para que os serviços, como UBSs (Unidades Básicas de Saúde), PAs (Prontos-Atendimentos) e os dois hospitais, São Vicente e Universitário, não parassem e eles não pararam mesmo.”

LEIA MAIS POLÍTICA

Além de combustíveis para os carros dos funcionários públicos, Luiz Fernando afirmou que foi determinante a atuação nas escoltas para a busca de insumos de saúde.
A intervenção da Prefeitura de Jundiaí para a saúde deu-se em dois momentos: na escolta até o Porto de Santos para os insumos de hemodiálise, parados no local desde o último dia 21 e que poderia comprometer a vida dos pacientes, que precisam deste procedimento diário para a sobrevivência. O outro foi para a busca, também com escolta, de oxigênio em Paulínia para atender estes pacientes domiciliares e hospitais da Região.

Balanço
O prefeito acredita que hoje normalize o abastecimento de combustível, até mesmo por conta do feriado e de pouco movimento desta sexta-feira. Ele pretende suspender nas próximas horas o decreto de estado de emergência.
“Saliento que, apesar do decreto me permitir comprar sem licitação, durante sua vigência, não autorizei nenhuma compra nestas condições especiais.”

Na segunda-feira, voltam ao normal o transporte público, as aulas na rede municipal, no Centro de Línguas Antonio Houaiss e demais serviços públicos. Um balanço de prejuízos, de compensações, deve ser feito no início da próxima semana. “O importante foi a antecipação de ações pelo Comitê de Crise, que não deixou o cidadão jundiaiense sem serviços essenciais.”


Link original: https://www.jj.com.br/jundiai/para-luiz-fernando-acao-foi-positiva-para-a-saude/
Desenvolvido por CIJUN