Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Portaria eletrônica custa até 90% menos do que a tradicional

PUBLIEDITORIAL | 25/08/2019 | 09:45

Toca o interfone, o morador é acionado, visualiza quem está no condomínio e libera o portão. Trata-se da portaria eletrônica, solução mais procurada atualmente por administradores de condomínios a fim de reduzir os custos. “Economia, isenção de processos trabalhistas e eficiência no atendimento são as principais vantagens de se optar pelo serviço. Há grande demanda de clientes interessados semanalmente”, comemora Denis Tiago Silva, diretor da Fascon, empresa especializada em soluções remotas.

Segundo Denis, por meio da portaria eletrônica o morador passa a ter mais comodidade e autonomia. “O condômino fica responsável pelas liberações da sua unidade. No celular, ele aciona um aplicativo de visualização das câmeras e consegue ver quem está ligando. Com o sistema inteligente, se ganha a liberdade de interagir de qualquer lugar com a pessoa que está na portaria”, acrescenta o especialista.

No último ano, a procura pelos sistemas remotos cresceu 50%. “Sabemos que o custo para manter um condomínio é bem alto e isso reflete no valor pago mensalmente pelos condôminos, o que faz com que todos estejam em busca de reduções. Antes as pessoas não conheciam ou não confiavam nesse sistema de portaria inteligente, hoje, com todas as tecnologias aplicadas de forma correta, o serviço vem se destacando e ganhando cada vez mais adeptos”, explica.

 

PARA DAR CERTO

O condomínio deve investir em recursos tecnológicos, como: câmeras com boa qualidade de imagem, geradores elétricos na portaria e manutenção preventiva de todo o sistema. “É importante conhecer a solução que está sendo apresentada, avaliar o knowhow da empresa prestadora do serviço e a qualidade dos equipamentos”, indica Denis Tiago Silva.

 

Denis Tiago da Silva demonstra sistema de portaria eletrônica

 

 


Link original: https://www.jj.com.br/jundiai/portaria-eletronica-custa-ate-90-menos-do-que-a-tradicional/
Desenvolvido por CIJUN