Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Práticas orientais promovem longevidade

COLABORAÇÃO DE GRAZIELLY COELHO | 21/07/2019 | 05:05
BEM-ESTAR   Atividades como Yoga, Lian Gong e Tai Chi Chuan oferecem equilíbrio físico e mental

Disposição, bem-estar, autonomia e oportunidade de fazer amizades. Estes são apenas alguns dos benefícios que as atividades físicas trazem para os idosos. Além disso, as práticas corporais diminuem o risco de doenças do coração, osteoporose, diabetes, depressão e até certos tipos de câncer.

Segundo dados divulgados em janeiro deste ano pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população brasileira com 65 anos ou mais cresceu 26% entre 2012 e 2018. No ano passado, a população com esta faixa etária era correspondente a 21,872 milhões. Em Jundiaí, 12% da população da cidade é idosa.

Para entrar ou se manter nas estatísticas da melhor idade, é necessário cuidado com a saúde e a adoção de um estilo de vida saudável. Uma das principais formas de fazer isso é com a inclusão da prática de atividades físicas no dia a dia. Entre as mais recomendadas para o público idoso estão práticas orientais, como Yoga, Lian Gong e Tai Chi Chuan.

De acordo com o educador físico Marlon Beisegel, de 40 anos, professor de Lian Gong, a técnica, fundamentada nos conceitos básicos da medicina tradicional chinesa, melhora a percepção corporal, mobilidade, equilíbrio e sociabilidade. “O Lian Gong trabalha o corpo todo, desde os pés até a cabeça. É uma prática terapêutica que traz melhora na flexibilidade e mobilidade articular, além da prática da meditação ativa que trabalha a concentração e respiração. Pode parecer lenta, mas é bastante intensa”, revela o profissional.

As aulas do professor Marlon fazem parte da oferta de atividades físicas direcionadas para as práticas físicas orientais disponibilizadas pelo Núcleo de Apoio da Saúde da Família (Nasf) e equipes das Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e Novas UBSs, na rede de Atenção Básica de Jundiaí em diversos bairros da região.

Com duração entre 45 e 60 minutos, as aulas recebem a participação de mais de 30 pessoas, em sua maioria idosos, que estão em busca de maior disposição, dinamismo, bem-estar e também diversão.

Para Ivana Barros, de 59 anos, as aulas são um momento de relaxamento e bem-estar. A aposentada conta que pratica o Lian Gong há a mais ou menos dois anos e a atividade a ajudou a lidar com a ansiedade e elevou sua qualidade de vida, além de ter proporcionado novas amizades. “Saio das aulas renovada. A atividade melhorou muito o meu equilíbrio físico e ajuda a me manter relaxada. É também muito divertido, não perco uma aula.”

A também aposentada, Íris Mantovani, de 74 anos, pratica atividades orientais há 8, mas conta que atividades físicas sempre fizeram parte da sua rotina. “Já fiz natação, pilates, mas o Lian Gong é a minha favorita. Trabalha a concentração e atenção, o que faz muito bem para a cabeça”, explica.

Outras possibilidades

Além do Lian Gong, atividades como a Yoga e o Tai Chi Chuan também são ótimas escolhas para o público da terceira idade. De acordo com os educadores físicos Lucia Morgon e Eduardo Lupinacci, especialistas em práticas orientais, essas atividades podem ser acomodadas para todas as idades, pois respeitam o limite de cada um. Além disso, também fortalecem os ossos, trazem equilíbrio e concentração, evitando quedas e fraturas, e oferecendo uma melhor qualidade de vida.

Práticas orientais que trabalham respiração, equilíbrio e concentração são as mais indicadas para o público idoso, mas podem ser feitas por todas as idades


Leia mais sobre |
Link original: https://www.jj.com.br/jundiai/praticas-orientais-promovem-longevidade/
Desenvolvido por CIJUN