Jundiaí

Produtores estão preocupados com futuro das plantações no Traviú


2014-09-29_22-07-48_1
Crédito: Reprodução/Internet

Agricultores do tradicional bairro de Jundiaí ainda não sabem por onde passarão as torres de transmissão de energia elétrica, conforme projetos da Furnas e Copel, estabelecidos em concessão. Enquanto aguardam definição sobre o trâmite da grande obra, produtores temem perder área de cultivo. Uma comissão foi criada para evitar transtornos e audiência pública será realizada ainda neste ano.

Diretor da Mata de Santa Genebra, concessionária que representa as hidrelétricas Furnas e Copel, José Gilvomar Rocha Matos explica que atualmente o projeto é analisado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Após a liberação do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) por parte do Ibama, José Gilvomar esclarece que haverá audiência pública para ouvir a população. 

Orçada em R$ 5 bilhões, a obra vai garantir transmissão de energia elétrica gerada nas usinas hidrelétricas de Teles Pires (RO), Rio Madeira (RO) e Belo Monte (PA). Os estados beneficiados serão São Paulo, Paraná e Rio de Janeiro. A previsão é que os 882 quilômetros de fios elétricos e suas torres, distribuídos entre 51 cidades dos estados de São Paulo e Paraná, sejam entregues no primeiro semestre de 2017.

Mais informações na edição impressa do Jornal de Jundiaí desta terça-feira (30) ou faça uma assinatura digital.


Notícias relevantes: