Jundiaí

Orgânicos com certificação são mais valorizados


T_AM4244470024
Crédito: Reprodução/Internet
Com sabor e aspecto diferenciados, os orgânicos já caíram no gosto de alguns consumidores, porém ainda não se tornaram um hábito para a maioria deles e o preço é um dos motivos. É justamente para agradar estes clientes indecisos e 'desconfiados' que os agricultores têm investido nas produções para deixar o alimento mais acessível. É o que vem acontecendo com os profissionais de Jundiaí que trocaram a agricultura convencional pela orgânica e já colhem os frutos: clientes e certificações importantes. Há 12 anos, Juliana Nunes Carnio resolveu investir na técnica. Filha e neta de agricultores, ela soube de cara que o trabalho não seria fácil, mas com a parceria do marido encarou e desafio e já tem clientes fiéis e certificações que lhe garantem a venda no atacado e no varejo. "Quis apostar em algo que trouxesse benefícios para mim e para minha família. Já tinha a experiência da agricultura e procurei informações para o orgânico porque é diferente. Da adubação ao processo de colheita, tudo é feito da maneira mais natural possível", relata a produtora Juliana. O forte em sua produção são as folhas verdes, como alface, couve e rúcula, mas ao longo do ano também aposta em algumas frutas. Com as certificações conhecidas como OCS (Organização de Controle Social) e Certificação Orgânica por meio do Sistema Participativo de Certificação Orgânica, o foco agora são os supermercados. "Nossa produção é preparada e colhida por familiares. Dá muito trabalho, mas o resultado é satisfatório", comenta Juliana. A agricultura familiar também está na vida do produtor José Roberto de Paula, de 51 anos, o Bertinho. Ele conta que começou com a produção convencional, mas parou por um tempo quando percebeu que os investimentos, principalmente devido a alta no preço dos insumos, não estavam compensando. O sustento da família precisava de outra fonte. “Fui motorista de ônibus porque precisava de uma fonte mais fixa, mas sempre tive uma veia na terra e não tinha como abandonar meu sítio, por isso resolvi voltar, mas para isto tinha que investir em outros segmentos”, conta. E foi neste retorno que pesquisou sobre os orgânicos. Ele fez a análise de solo para ver se o sítio poderia receber o tratamento adequado para a plantação. Começou a produzir legumes, inclusive tomates, considerado difícil para trabalhar quando se trata de orgânicos, além do morango, o queridinho do sítio. “A qualidade do produto é muito diferente do tradicional, mesmo com todo o trabalho que dá. Hoje conseguimos ter uma boa clientela, mas prezamos pela qualidade e variedade, e não pela quantidade”, diz o produtor que também está com as certificações em dia. MAIS OPÇÕES Em breve, os 12 agricultores orgânicos do município irão receber novos parceiros. É o que adianta o engenheiro agrônomo Sérgio Mesquita Pompermaier ao revelar que este número deve aumentar. Alguns agricultores estão em fase de Transição Agroecológica, ou seja, cumprindo o período entre a agricultura convencional para a orgânica. “Os agricultores que fazem parte da OCS Jundiaí Orgânicos seguem todas as exigências previstas nas legislações pertinentes ao tema. Recentemente, alguns agricultores do grupo foram em busca do Sistema Participativo de Certificação, conquistando duas certificações. Uma por meio da OCS e outra por meio da OPAC ANC (Organismo Participativo de Avaliação da Conformidade Orgânica - Agricultura Natural de Campinas), que é uma organização cadastrada no mapa que atua no Sistema Participativo de Certificação Orgânica”, explica. Com as certificações, os agricultores familiares que atenderem a todas as exigências recebem um Certificado de Produtor Orgânico que permite que ele comercialize sua produção no sistema de venda direta, ou seja, do produtor para o consumidor final. “O consumidor final passa a ter maior garantia da qualidade dos produtos orgânicos, e maior oferta de produtos. Alimentar-se bem, e com produtos orgânicos é uma maneira importante de cuidar da saúde do corpo, da mente e do local onde vivemos”, avalia o engenheiro.

Notícias relevantes: