Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Raízes mantêm moradores em áreas que se tornaram comerciais em Jundiaí

VINÍCIUS SCARTON | 23/04/2018 | 04:59

Amor pela residência, história familiar, patrimônio próprio e raízes com a localidade são as principais justificativas de moradores que permanecem em áreas que se tornaram comerciais em Jundiaí. Se, no passado, a vizinhança era rodeada por habitações, hoje diversas ruas e avenidas do município estão cada vez mais ocupadas por novos estabelecimentos. Um exemplo deste cenário acontece na rua do Retiro, como afirma a moradora Simone Schiavi, que mora ali há 40 anos. “Eu lembro com saudade da época em que tínhamos vizinhos, pois existia amizade e vínculo com todos. Hoje, a situação é bem diferente e os estabelecimentos comerciais são nossos vizinhos. Além disso, a circulação de veículos aumentou bastante nos últimos tempos, trazendo transtornos para entrar ou sair de casa, bem como assaltos aos moradores nesta localidade”, comenta.
Embora a situação seja completamente diferente do passado, Simone revela os motivos pelos quais ainda vive no mesmo endereço. “Eu e minha família continuamos por aqui, pois nossa casa é própria e temos muitas histórias nesta residência. São lembranças que ficarão para sempre”, destaca.

Já a moradora da rua Barão de Teffé, Rosa Martins avalia o atual cenário como uma questão normal. “Trata-se do progresso e da evolução de Jundiaí. A maior presença de comércios e a redução de habitações tem aspectos favoráveis e negativos e, como moradora, sigo neste processo de adaptação”, ressalta. Rosa Martins vive nesta localidade há 50 anos e comenta sobre as vantagens em residir na rua Barão de Teffé. “Eu tenho tudo o que preciso por perto, como agências bancárias e mercados. Trata-se de uma verdadeira comodidade. Por aqui, ao lado do meu esposo, criei meus filhos e continuo neste endereço, pois gosto deste lugar e a história da minha família se mantém viva”, conta. Na rua Carlos Gomes, o casal Luiz Balbuena e Matilde Adriani Balbuena vivem na mesma localidade há 30 anos e com muita felicidade. “Nos damos bem com todo mundo, embora a quantidade de habitações esteja reduzindo. Por aqui também notamos que o trânsito tem aumentado a cada dia, mas vejo isso com normalidade, assim como o surgimento de novos estabelecimentos comerciais. Nós continuamos neste endereço, pois a casa é uma propriedade nossa”, afirmam.

Especialistas
Sobre o atual cenário, o arquiteto Ricardo Felippi destaca a convivência de diversos setores. “Hoje é possível notar que na existência de moradias, os estabelecimentos comerciais não ficam para trás. Neste momento, a cidade de Jundiaí tem incentivado o uso misto comercial, a fim de enraizar a população, promovendo integração entre moradores e comerciantes. No entanto, entendo que o município não voltará a ser como foi no passado, pois está se reinventando na medida do tempo”, comenta. Por fim, o arquiteto e urbanista Araken Martinho entende como normal o cenário atual. “Essa redução de casas e a maior presença de estabelecimentos comerciais são aspectos normais, conforme a idealização de projetos imobiliários atuais, sendo que os comerciantes buscam vender seus produtos onde os consumidores estão”, finaliza.


Link original: https://www.jj.com.br/jundiai/raizes-mantem-moradores-em-areas-que-se-tornaram-comerciais-em-jundiai/
Desenvolvido por CIJUN