Jundiaí

Senai monta oficina para recuperação

Com o objetivo de restaurar 3,6 mil respiradores parados por problemas técnicos, a unidade do Senai em Vila Leopoldina desenvolveu uma rede de recuperação destes aparelhos, essenciais no tratamento de complicações do covid-19. Do total de aparelhos, 700 estão no Estado de São Paulo. Até o momento foram recuperados e devolvidas 200 máquinas aos hospitais que tratam o covid-19. Segundo explica o diretor das unidades de Jundiaí e Itatiba, Fábio Carrion, da região foram encaminhados para reparo cinco respiradores, sendo um de Jundiaí (Hospital São Vicente de Paulo), um de Jarinu (Hospital Municipal) e três de Itatiba (Irmandade da Santa Casa de Misericórdia). Ele lembra que na unidade da Vila Leopoldina há os cursos de odonto médico hospitalar, o que facilita neste trabalho. “O material é retirado por uma empresa especializada nesta logística e depois que o trabalho é executado devolvemos higienizado para a unidade hospitalar, pronto para uso”, diz. O Senai entrou em contato com as santas casas e fez o levantamento dos equipamentos. “Não é possível precisar ainda qual o tempo que dura o serviço de manutenção, pois há uma diversidade de problemas técnicos ou de manutenção”, complementa. O serviço é realizado sem custo para os hospitais. O esforço é para que seja devolvido o mais rápido possível. Existe a dificuldade de muitos equipamentos serem antigos e não termos peças de recuperação no mercado. “Há casos que de três respiradores, montamos um”, explica Carrion. O equipamento quando chega na unidade do Senai, na Vila Leopoldina, passa por triagem, desinfecção, quarentena (se necessário) e só depois é encaminhado para manutenção ao laboratório de manutenção de equipamentos biomédicos, onde passa por segunda triagem. Para encaminhar respiradores para o serviço de recuperação e manutenção, a unidade hospitalar pode fazer o cadastro no site www.senai.br/respiradores e clicar em “Demandas de Manutenção”, localizado na parte de baixo da página.

Notícias relevantes: