Jundiaí

Serviços de primeira necessidade voltam a receber seus clientes


ABERTURA DE OTICAS NO COMERCIO PEDRO LUIS GONCALVES
Crédito: Reprodução/Internet
Com a publicação do novo decreto da Prefeitura de Jundiaí autorizando a abertura de alguns pontos comerciais com a presença de público, entre eles, óticas, lavanderias e clínicas odontológicas, o cenário ontem no Centro já era diferente. Com exceção de abertura dentro dos shoppings, devendo ficar até dia 7 com as portas fechadas, estes pontos já podem operar normalmente. Estes serviços são considerados, segundo o decreto, de primeira necessidade. O proprietário de uma ótica na rua do Rosário, Pedro Luiz Gonçalves, ergueu as portas para os clientes que desejavam trocar a armação ou comprar novos óculos. Ele acredita que o movimento somente retorna ao normal quando todo o comércio no Centro for reaberto. “Foi bom, pois a gente somente estava atendendo pelas redes sociais.” No seu estabelecimento ele reforçou as medidas de segurança para seus funcionários e clientes. Ele colocou à disposição álcool gel e instalou uma marca de um metro no chão separar o atendimento dos dois balcões na loja. “A gente tinha três cadeiras para quem quisesse sentar e reduzimos para uma para evitar aglomerações”, conta. Luís Antônio Rodrigues também tem uma ótica localizada na rua do Rosário. Na tarde de ontem dois clientes estavam realizando as trocas de armações de seus óculos e para o comerciante isto significa um fôlego para tantos dias fechados. “O movimento foi bom, não podemos reclamar. Eu acredito que a movimentação deverá retomar ao normal em dez dias”, espero. Algumas medidas de higiene foram adotadas para receber os clientes. “Deixamos álcool gel para todos, mas se algum se sentir mais seguro lavando as mãos a nossa pia está disponível”, conta. Outros serviços Além das óticas, o novo decreto autoriza o funcionamento de lojas de material de construção e pet shops com serviço de banho. A medida vale também para oficinas mecânicas, assistências técnicas e serviços médicos (em clínicas médicas). Determinados estabelecimentos alimentícios também estão liberados como comércio de bolos, sorveterias, docerias, lojas de suplementos alimentares, de produtos naturais, de açaí e de produtos típicos regionais. Estes estão autorizados a funcionar somente através de aplicativos ou por telefone para entregas em domicílio, como delivery ou ainda para retirada presencial pelo consumidor, entre o período das 8h às 22h. Os proprietários dos estabelecimentos devem seguir as medidas de segurança sanitária como número máximo de profissionais e clientes, distanciamento prudente, além de higienização. É obrigatória a oferta de álcool em gel para consumidores. A loja também deve compartilhar informações sobre a covid-19. Para o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Jundiaí e Região (Sincomercio) e da Câmara de Dirigentes Lojistas de Jundiaí (CDL), Edison Maltoni, a resolução faz parte das medidas emergenciais já reivindicadas pelos órgãos. As entidades representativas do comércio também solicitaram medidas emergenciais aos governos estadual e federal. “A liberação gradual das atividades comerciais, desde que seguindo todas as recomendações sanitárias, é essencial para a sobrevivência dos empreendimentos, garantia de empregos e, consequentemente o desenvolvimento econômico da cidade”, observa Edison Maltoni. A fiscalização sobre a prática de preços abusivos, assim como as infrações à legislação que protege o consumidor será feita pelo Procon Jundiaí com apoio da Guarda Municipal e da Fiscalização do Comércio. Os órgãos deverão fiscalizar as atividades consideradas não essenciais e que se encontram em funcionamento durante o horário regular do comércio. Nos demais períodos, a GM irá fiscalizar as atividades sem a presença dos agentes da Fiscalização do Comércio.

Notícias relevantes: