Jundiaí

Vila Nambi é o nono bairro com mais casos

CORONAVIRUS VILA NAMBI RUBENS SOMBRINI
Crédito: Reprodução/Internet
A Vila Nambi, bairro localizado na Região Leste de Jundiaí, está na nona colocação de casos com maior incidência de covid-19. São 247 confirmações da doença, mesmo número de doentes que a Vila Hortolândia, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Prefeitura de Jundiaí nesta quarta (5). Andando pela rua com algumas compras, Rubens Sombini, de 86 anos, morador do bairro desde 1953, diz não temer o vírus. Ele fala que não percebe aglomerações pelo bairro. “Estou bem, moro sozinho, vou de máscara para todo lugar. Vou pescar três vezes por semana, fico dois metros longe dos outros e uso máscara”, conta ele enquanto exibe fotos das pescarias no celular e diz que vende os pescados, mas apenas como hobby. [caption id="attachment_98539" align="aligncenter" width="800"] Rubens Sombini diz que não tem medo do vírus, pois vai para todos os lugares usando a máscara[/caption] Agricultor em uma horta no entorno, Elias Ferreira diz que todos que vão comprar suas hortaliças usam máscara. “Planto couve, alface, todo tipo de verdura. Vejo bastante gente falando sobre o coronavírus, mas não sei de ninguém que tem. As pessoas que vêm usam máscara, eu não uso por causa do trabalho, mas os clientes usam e quem os atende usa também”, explica ele sobre não poder usar máscara enquanto trabalha na lavoura. Assim como Rubens, Ferreira não percebe aglomerações pela Vila Nambi. Dona de casa, Andréia Pereira conta que quase não sai de casa, mas quando sai vê poucas pessoas preocupadas com o uso de máscara. “Algumas pessoas ainda se acham corajosas e saem sem proteção. Eu saio pouco de casa e quando saio faço compra aqui no bairro mesmo. Não vejo muita aglomeração por aqui e durante a semana é mais tranquilo”, conta ela. [caption id="attachment_98537" align="aligncenter" width="800"] Andréia Pereira quase não sai de casa, mas conta que não vê muita aglomeração[/caption] O comerciante Leandro Guimarães também percebe a mesma despreocupação com a prevenção. “Acho que 50% das pessoas não usam máscara. Aqui é proibido entrar sem máscara, tem o cartaz avisando, mas o pessoal entra e às vezes é gente de idade, então, no início eu cobrava, mas não faço mais caso para não dar confusão. A turma está relaxada. Festa aqui não tem, até porque a guarda (Guarda Municipal) sempre vem para cá. Bar também não fica cheio”, revela. [caption id="attachment_98538" align="aligncenter" width="800"] Leandro Guimarães diz que metade da população do bairro não usa a máscara[/caption] Auxiliar de produção, Kelly Trajano mora no bairro desde fevereiro, antes da pandemia começar, e diz que nem todos têm consciência. “Não respeitam e no final de semana é pior. Sai mais gente na rua e sem máscara. Quando eu chego do serviço, quase meia-noite, essa avenida fica cheia de gente e o pessoal fica junto. Pelo que eu percebo, o pessoal não levou a sério desde o início”, diz ela sobre a avenida Bento Amaral Gurgel, a principal do bairro.

Notícias relevantes: