Opinião

O aumento das dores nos últimos meses

A postura não é o problema, a dor surge pela incapacidade do corpo de realizá-la


divulgação
COLUNISTA LICIANA ROSSI
Crédito: divulgação

Nestes últimos meses, a incidência de dores na coluna aumentou muito, em todas as idades, devido à pandemia, quarentena, home office, educação a distância, aumento do tempo em frente à televisão, computadores, celulares e diminuição dos movimentos corporais.

Dores na região cervical são a segunda dor mais frequente na coluna, ficando atrás da dor lombar, que atinge mais de 50% dos adultos brasileiros. A dor cervical atinge em média 30% dos homens e 45% das mulheres. Porém, uma questão importante é que estas dores cervicais aumentaram cerca de 45% nas últimas duas décadas.

Olho para as crianças e adolescentes e vejo a dependência que esta geração tem pelos eletrônicos, a ponto de preferirem um vídeogame ao esporte. Na pandemia, quando os esportes foram limitados, muitas crianças já começaram a sentir dores que antigamente eram comuns em idades mais avançadas. As dores cervicais em crianças aumentaram exponencialmente.

Lembrando que não há uma postura ideal. Na maioria dos casos a postura não é o problema, a dor surge pela incapacidade do corpo de realizá-la naquele momento. Ou seja, a dor não surge "daquela" postura, mas das repetidas vezes que você a executou sem devida capacidade corporal para sustentá-la. Nós treinamos os músculos, as fáscias, todo um sistema integrado e complexo que é o corpo humano, não a postura. O vilão desta história é um corpo fraco que não se movimenta. O estresse também ajuda a piorar a contração muscular em áreas-chave, mesmo sem perceber, pois, quando ficamos muito tempo em determinada posição há um aumento na pressão dos discos da coluna, entre as vértebras, principalmente na posição sentado.

A coluna vertebral e suas 186 articulações estão envolvidas em cada movimento do corpo humano, sendo que há 3 ou 4 articulações entre cada vértebra. Quando uma área do corpo não é estimulada pelo movimento, a tensão muscular aumenta, diminuindo a circulação da área e deixando esta área mais rígida. Quando qualquer parte do corpo se move, o corpo todo responde. Porém, se ele não se move, densifica.

As dores na coluna e de cabeça viraram uma verdadeira epidemia durante a quarentena. E o exercício físico, o movimento, é a principal arma contra isso tudo. Vamos refletir e virar este jogo. Muita saúde a todos.

LICIANA ROSSI é educadora física formada pela ESEF Jundiaí, pós-graduada em treinamento físico pela Unicamp e ginástica corretiva pela FMU-SP; exercícios corretivos pela Academia Nacional de Medicina Esportiva - NASM/USA; CHEK Practitioner nível 2 Califórnia/USA; Holistic Life Style Coach/CHEK Institute/USA.


Notícias relevantes: