Opinião

Não verás país nenhum

Continuamos a poluir em um comportamento irresponsável e suicida


divulgação
HOMENAGEM DOUTOR JOSE RENATO NALINI NO FORUM
Crédito: divulgação

"Não há tempo para cremar todos os corpos. Empilham e esperam. Os esgotos se abrem ao ar livre, descarregam, em vagonetes, na vala seca do rio." É uma das frases iniciais do livro "Não verás país nenhum", escrito por Ignácio de Loyola Brandão em 1981 e de uma atualidade que assombra.

Quem poderia imaginar, quarenta anos faz, que o mundo iria enfrentar uma peste que parecia tão distante após as descobertas científicas garantidoras de longevidade e saúde plena? Entretanto, o escritor, com seu faro profético, escrevia "o cheiro infeto dos mortos se mistura ao dos inseticidas impotentes e aos formóis. Acre, faz o nariz sangrar em tardes de inversão atmosférica. Atravessa as máscaras obrigatórias, resseca a boca, os olhos lacrimejam, racha a pele. Ao nível do chão, os animais morrem".

Estamos todos mascarados e medrosos. Assistindo, impotentes, ao desmanche da estrutura gradual e lentamente construída para a tutela ambiental, já que tudo tínhamos para ser uma potência ecológica.

Hoje somos produtores de resíduos sólidos, eufemismo para disfarçar a próspera indústria do lixo. "Lixo que aumenta dia a dia. Não podemos atirar na rua, e não há onde depositar o caminhão carrega o que pode quando passa. Se passa. Vem tão cheio que leva muito poucos. Ratos dilaceram os sacos, o lixo se esparrama, espalha um fedor insuportável. Ora, um cheiro a mais".

Quantos anos de legislação, de logística reversa e a reciclagem ainda funciona porque é fruto da miséria. Não é consciência ambiental que move os catadores. É necessidade mesmo.

Só está faltando a "Casa dos Vidros de Água" prevista por Ignácio. O lugar onde se guardam pequenos frascos com o líquido extraído do Tietê, do Pinheiros, do Tamanduateí. Hoje, o que ali circula não se pode chamar de água. Todavia, não é improvável chegue esse dia. Continuamos a poluir e não nos damos conta de que um comportamento irresponsável é suicídio. Extinguimos a possibilidade de vida - qualquer vida - num planeta maltratado e exaurido em seus recursos naturais. Finitos e frágeis, embora agíssemos como se eles fossem infinitos.

Uma releitura de Ignácio de Loyola Brandão é bastante útil para que recobremos o que sobrou de lucidez e atuemos na defesa desse patrimônio inclemente dizimado, que é a exuberante natureza brasileira.

JOSÉ RENATO NALINI é reitor da Uniregistral, docente da pós-graduação da Uninove e presidente da Academia Paulista de Letras - 2019-2020


Notícias relevantes: