Opinião

ESPAÇO DO CIDADÃO


PODER DE COMPRA,
INFLAÇÃO, CONSUMO

Já é sabido e notório o impacto que a economia brasileira sentiu e vem sentindo frente à crise provocada pela pandemia da covid-19. Diante disso, expectativas foram criadas em relação à atuação do governo. O que o governo brasileiro faria para minimizar os impactos negativos econômicos, sociais e no sistema de saúde? E, ademais, quais os reais impactos das medidas e iniciativas governamentais?

Iniciamos o ano de 2020 com uma inflação sob controle, ou seja, dentro da meta esperada pelo Banco Central brasileiro. Entretanto, ao longo dos meses, o que a população sentiu foi o aumento progressivo dos preços de bens de consumo básicos, como a carne, arroz, milho, feijão, dentre outros. Assim, esse aumento dos preços causou uma elevação da inflação, de modo que fechamos o ano de 2020 com uma inflação acumulada (IPCA) de 4,52%, acima da meta prevista de 4% (de acordo com Banco Central do Brasil).

Já é notório que existe uma grande desigualdade social entre a população brasileira, afinal, somos um país subdesenvolvido. Mas o estudo divulgado pelo IPEA analisa o impacto do aumento dos preços, principalmente, dos alimentos, entre as diversas classes sociais. E assim, revela que, ao longo do ano de 2020, houve uma aceleração significativa dos preços dos alimentos e da energia elétrica. Em contrapartida, o preço dos serviços e dos combustíveis, sofreram uma alta, porém, menos acentuada, causando um impacto diferente em cada nicho de nossa sociedade.

No acumulado do ano de 2020, a inflação das famílias de renda muito baixa sofreu um aumento de 6,2%, enquanto que, a inflação para a população de renda mais alta, aumentou em 2,7%, segundo pesquisadores do IPEA. A diferença na inflação acumulada por faixa de renda está diretamente relacionada com a composição dos gastos do orçamento familiar. A esse respeito, é importante mencionar que, a população com renda mais baixa, compromete cerca de 37% do seu orçamento com gastos com alimentos, gás e energia. Por outro lado, os mais ricos, despendem, cerca de 15% do seu orçamento para realizar o consumo desses bens.

Diante dos dados apresentados pelo IPEA, percebe-se uma queda no poder de compra da população brasileira mais acentuada entre as famílias com menor poder aquisitivo. Mas, e como isso impacta o consumo? Diretamente, uma vez que, mesmo com o novo reajuste do salário mínimo para R$1.102,00, o mesmo não cobre o aumento inflacionário sentido pela população com renda mais baixa, o que, acaba por diminuir o poder de compra e consequente consumo. Assim, pensar em políticas emergenciais, de assistência e no âmbito econômico é relevante sobretudo para que possamos pensar em normalidade após a vacinação de toda a população.

Pollyanna Gondin


Notícias relevantes: