Opinião

Bases sólidas para um 2021 bem melhor

Serão quatro bases sólidas que, após incluídas, impulsionarão a economia brasileira


divulgação
MESSIAS MERCADANTE DIRETOR ADMINISTRATIVO DA CAMARA MUNICIPAL ECONOMISTA
Crédito: divulgação

Ao iniciar um novo ano, há sempre uma expectativa mais positiva em relação à vida pessoal, familiar, nos negócios e na economia do País. Seria muito bom se "todos pudessem ter esse sentimento e, como se fosse um norte" virtuoso, também conduzisse a sociedade como um todo a acreditar e trabalhar por um futuro melhor. Essa força e inspiração produziriam uma sinergia positiva para o País.

Infelizmente, os meses vão se sucedendo, os problemas sociais e econômicos não resolvidos, como os desempregados e desamparados e muitos outros que se somam à calamitosa pandemia da covid-19, vão reduzindo, quando não apagando de vez, a chama da esperança de dias melhores para cerca de sessenta milhões de brasileiros e brasileiras.

É, todavia, necessário olharmos para frente, e aí enxergarmos uma tênue luz no fim do túnel. A economia americana, a maior do mundo, recuou 3,5% em 2020, a do Mercado Comum Europeu (27 países), em linha com a americana, também deve ter caído cerca de 3,5% e a do Japão 3,0%. Das grandes, somente a China cresceu cerca de 2,0%. A economia brasileira perdeu 4,5% de seu PIB - Produto Interno Bruto em 2020.

O País gerou um saldo positivo de 124.000 postos de trabalho (ainda insignificantes). As contas externas tiveram ainda um desempenho favorável: fechamos com um baixo déficit em transações correntes de US$ 9,0 bilhões, que foi superado com a entrada de US$ 34,0 bilhões de investimentos externos nos País e as reservas internacionais foram mantidas em US$ 355,0 bilhões.

Voltando para 2021, temos perspectivas muito favoráveis: a mais importante, a ampliação constante do número de vacinados, que deverá crescer significativamente nos próximos meses. Com novos presidentes na Câmara Federal e no Senado; a afirmação de ambos, em conjunto com o Presidente da República, da aprovação de um novo programa de Auxílio Emergencial, que o ministro Paulo Guedes já está estudando, além da aprovação das reformas administrativa e tributária. Serão quatro bases sólidas que, após incluídas, impulsionarão a economia brasileira para um crescimento sustentável, com a saúde e empregos. Vamos todos acreditar e trabalhar pelo País.

MESSIAS MERCADANTE DE CASTRO
é professor da Unianchieta e
consultor de empresas


Notícias relevantes: