Opinião

Vamos falar sobre memória?

A grande maioria das causas é prevenível e reversível


divulgação
COLUNISTA LICIANA ROSSI
Crédito: divulgação

Dentre os inúmeros benefícios da atividade física, como o aumento da força muscular, da capacidade cardiorrespiratória, manutenção do peso corporal, dentre outros, sabemos que a atividade física regular previne muitas doenças e equilibra o organismo de maneira geral, aumentando a capacidade de aprendizagem e melhorando a memória.

A memória é a capacidade de adquirir, armazenar e recuperar informações através de experiências vividas. Já a perda da memória pode ser um indício de mau funcionamento cerebral. Passar por um momento de ansiedade e estresse, pode causar perda de memória, assim como ter alterações do sono, síndrome de burn out, uso excessivo de medicações, hipotireoidismo, infecções e doenças neurológicas. A grande maioria das causas é prevenível e reversível com a melhora dos hábitos e da qualidade de vida.

Segundo a médica geriatra Carolina Belardo, o que realmente ajuda a memória é a atividade física, aprendizagem de novas coisas, como um novo idioma, algo que você não saiba, utilizar caminhos diferentes, sair da zona de conforto. A doutora ressalta que é importante observar se há algum declínio especifico da memória, como abstração de cálculos ou linguagem, e neste caso, uma avaliação médica específica é necessária e pode ser indicado uma reabilitação cognitiva, ou mesmo para entender se é um transtorno cognitivo leve ou mesmo demência.

Porém, como a atividade física pode ajudar? Por que se exercitar faz bem para a memória? A resposta é que quando praticamos exercícios, por conta do aumento da frequência cardíaca, há um aumento da oxigenação no corpo todo e principalmente no cérebro. Esse aumento no fluxo sanguíneo local estimula o cerebelo, responsável pela coordenação motora e o hipocampo, parte importante do sistema límbico, envolvido na memória, aprendizagem e emoções.

Além disso, a atividade física aumenta a produção de hormônios associados ao bem-estar e ao prazer, o famoso quarteto da felicidade: dopamina, endorfina, serotonina e ocitocina, que colaboram no combate do estresse, aumentam a disposição mental, nos deixam mais dispostos à aprendizagem, mais atentos, motivados, com menos dores e muito mais felizes.

Quando praticamos algum tipo de atividade física nosso organismo tem acesso a muitos benefícios. Na parte emocional, se exercitar melhora a memória, concentração, humor, bem-estar e combate depressão, ansiedade e fadiga mental. Já no aspecto físico, estar em movimento ajuda a fortalecer o corpo todo, melhorando a mobilidade, flexibilidade e postura, diminuindo assim dores crônicas e desconfortos. Muitos outros males podem ser atenuados, que vão da simples regulação do intestino à baixa do colesterol, do controle da pressão arterial à diminuição dos riscos de doenças crônicas, como diabetes.

Esse fortalecimento que a atividade física promove não nos deixa mais fortes fisicamente apenas, mas principalmente, mentalmente.

Estudos mostraram que o exercício físico, principalmente os aeróbicos, contribuem para a formação de novos neurônios em áreas importantes do cérebro, como memória e aprendizagem. Com os avanços da neurociência foi possível entender o papel da atividade física regular no estimulo à neuroplasticidade cerebral, pois foi provado que a atividade física regular realmente cria novas conexões neurais, mantendo o cérebro jovem por mais tempo.

A meditação é outra técnica que provoca um efeito maravilhoso em nosso cérebro, que responde aumentando sua capacidade de autorregulação, fazendo com que a atenção, a cognição, emoção e motivação se equilibrem. Os cientistas descobriram que a meditação provoca um efeito físico em nossa massa cinzenta, o que ajuda a combater a degeneração cognitiva e áreas ligadas à memória podem ser estimuladas. Além de diminuir disfunções cerebrais, estresse e ansiedade sem uso de medicamentos. Utilizar a meditação como forma de desacelerar a mente só faz bem à nossa saúde.

Ter ferramentas para manter o equilíbrio mental e qualidade de vida são as formas mais simples de não perder a memória e manter a saúde. Porém se algo ainda te incomoda, não hesite, procure um médico. Muita saúde a todos.

LICIANA ROSSI é educadora física formada pela ESEF Jundiaí; pós-graduada em treinamento físico pela Unicamp e ginástica corretiva pela FMU-SP; exercícios corretivos pela Academia Nacional de Medicina Esportiva - NASM/USA; CHEK Practitioner nível 2 Califórnia/USA; Holistic Life Style Coach/CHEK Institute/USA


Notícias relevantes: