Opinião

Um novo paradigma para o movimento

Precisamos olhar e compreender o corpo de uma maneira diferente


Divulgação
Liciana Rossi
Crédito: Divulgação

O corpo humano é complexo. Partindo deste princípio, é fácil compreender que somos uma unidade, onde corpo, mente e espírito habitam o mesmo lugar. É fascinante estudar o corpo humano, por sua complexidade e pela integração disso tudo, onde a emoções refletem no corpo e o corpo nas emoções. Porém, o corpo humano foi visto até pouco tempo de forma segmentada e linear, como se fosse possível separá-lo e cuidá-lo em partes, como se uma estrutura não influenciasse outras, ignorando aspectos emocionais, mentais e mesmo espirituais.

Esta visão segmentada do corpo acompanha os profissionais da saúde e do movimento desde a nossa formação. Os estudos de anatomia foram e ainda são realizados em cadáveres, para facilitar a didática, porém o corpo, desde então, passou a ser visto e compreendido, em partes. Começamos então a olhar para as partes separadamente, a treinar as partes de formas separadas, como se fosse possível fragmentar o corpo humano, dividi-lo um ser em partes. E isso foi uma verdade até pouco tempo atrás, quando alguns estudiosos começaram a quebrar este paradigma e a olhar para uma nova perspectiva, onde tudo influencia tudo num ser vivo, até mesmo o ambiente que ele habita, e que antes era negligenciado, já que o estudo do corpo humano era feito num corpo sem vida, sem influências.

Precisamos olhar e compreender o corpo de uma maneira diferente. Vamos olhar para o movimento por uma nova perspectiva, unindo tudo e não mais separando. Para compreender esta nova visão, olhamos para o Sistema Fascial. Pode parecer estranho dizer que há um novo sistema a ser estudado, mas este sistema não surgiu agora não, ele era apenas colocado de lado, jogado fora na hora da dissecação dos corpos para estudos de anatomia. Este sistema antes desconhecido, desconsiderado, é uma imensa rede de tecido conjuntivo fibroso que envolve e permeia todo o nosso corpo, juntando e conectando todas as partes, permitindo além de espaços, o deslizamento entre suas camadas para que haja assim o movimento de todas as partes do corpo.

A fáscia, essa malha inteiriça que é continua em nossos corpos, é também uma fábrica biológica, que organiza água em suas células. Lembrando que nossos corpos são formados por cerca de 70% de água. Por conta da grande quantidade de água que há nas fáscias é possível que eles deslizem entre si, proporcionando movimento. Há camadas fasciais que permitem a amplitude e a coordenação dos nossos movimentos.

Voltando um pouco e pensando neste novo sistema, é possível olhar para o corpo por uma nova perspectiva, de uma maneira inteira e integrada. Esta nova visão nos permite olhar para o sistema fascial como uma grande unidade funcional, uma rede única que pode transmitir forças de forma global, que responde de várias formas, que é vital ao nosso corpo, é o nosso maior órgão sensorial que temos, pois é muito inervada, uma verdadeira rede tridimensional. Sentimos nossas fáscias seis vezes mais que nossos músculos. Há muita informação contida nelas.

Pensando nisso, o que podemos fazer para dar atenção às nossas fáscias? A resposta é, precisamos cuidar delas, pois nossa saúde depende da resiliência das nossas fáscias. E devemos primeiramente pensar em dois pontos para a saúde do sistema fascial: hidratação e movimento.

Pois bem, se nossas fáscias necessitam de água e movimentos, precisamos movimentar os nossos corpos. Quando eu escrevo que movimento é saúde, movimento é vida, é isso que quero dizer. Movimentos, espreguiçadas, alongamentos, corridas, variações de direções, aceleração, desaceleração, saltitos, movimentos multiplanares, devemos mover nosso corpo em todas as direções possíveis e imagináveis. E não só mover os membros, mas o tronco também. Rotações, torções, inspirações e expirações profundas, aspirações diafragmáticas, decoaptações articulares, todo movimento é bem-vindo.

Chegou a hora de olharmos para o treinamento como uma forma de fugir dos remédios. Que ele seja a nova forma de curar o corpo. A cura através do movimento. Abra sua mente e olhe para o movimento por esta nova perspectiva, quebrando paradigmas antigos. A ciência nos trouxe essas novas informações. Integre-as na sua vida, nos seus treinos. Muita saúde a todos.

LICIANA ROSSI é pós-graduada em Treinamento Desportivo (Unicamp), Exercícios Corretivos (Academia Nacional de Medicina Esportiva dos USA), CHEK Practitioner2, HolisticLifestyle Coach2, CHEK Institute/USA, L.P.F. Specialist e graduanda SomaTraining/ELDOA-USA

 


Notícias relevantes: