Opinião

Ser ou não ser?!

Parece que é necessário decidir o tempo todo entre isso ou aquilo


Divulgação
Dom Vicente
Crédito: Divulgação

"Quem quiser ser o maior, no meio de vós, seja aquele que vos serve" (Mt 20,26)

O título deste artigo parece ser mais uma reflexão filosófica entre o que queremos e o que devemos ser ou não ser na vida, nas diversas circunstâncias com que nos deparamos. Todas as vezes em que nos dispomos a falar, pensar ou escrever sobre este tema, tem-se a sensação de que se está fazendo um exercício filosófico existencial e especulativo. Mas, a verdade é que pensar sobre isso vai muito além de um costumeiro filosofar. Este tema tem a ver com as nossas escolhas, renúncias e decisões. Aborda questões ligadas ao nosso cotidiano e, também, aos dilemas cruciais da nossa existência humana.

Ser ou não ser parece exigir de nós uma definição ou uma opção por algo a escolher em detrimento de outra coisa. Fica a impressão de que quando se opta por algo, se está preterindo alguma outra possibilidade. Parece que é necessário decidir o tempo todo entre isso ou aquilo. Será mesmo que em todas as fases da nossa vida, estaremos sempre diante deste dilema? Acredito que o "ou isso ou aquilo" pode e deve ser substituído pelo "isso e aquilo", dependendo de cada realidade. Sendo assim, quero destacar alguns "ser" e outros "não ser" da nossa vida!

É preciso ser determinado. Quem deseja vencer na vida tem de optar prioritariamente pela determinação. A pessoa determinada aproveita bem o tempo, organiza e realiza suas metas e objetivos. A determinação nos ajuda a discernir o que é essencial e o que é trivial, permitindo-nos conduzir nossa vida sem perder o foco dos nossos ideais e dos nossos projetos.

É preciso ser humilde, tendo claro que esta virtude não nos faz esconder talentos e qualidades humanas de maneira alguma. Pelo contrário, ajuda-nos a conhecer nossas potencialidade e limitações. A humildade é uma espécie de "lupa" que nos faz ver o que somos capazes de realizar e o que precisamos melhorar ou aprender a fazer.

É preciso ser persistente, para que não caiamos no desânimo diante das dificuldades e desafios que vão surgindo a cada momento em nosso caminho. Persistir significa perseverar, mesmo em meio às possíveis "demoras do tempo" na concretização dos nossos projetos. A persistência nos socorre diante dos desânimos e cansaços do coração e da mente. Às vezes, quanto mais persistimos nas nossas lutas, mais nos vemos aquém do ideal. Em todas as áreas e fases da vida precisamos ser determinados, humildes e persistentes!

Faz-se necessário também pensar e refletir um pouco sobre o que não devemos ser para que se consiga alcançar os objetivos e o ideal de nossa vida. Desde muito cedo cada pessoa humana precisa aprender e não ser pessimista, pois o pessimismo nos afasta dos nossos sonhos e de nós mesmos! Não ser pessimista significa não ficar dizendo a toda hora que: "isso ou aquilo não é para mim", ou ainda pensar ou dizer: "nunca vou vencer na vida". O pessimista rapidamente desiste de seus sonhos.

O vencedor carrega consigo a marca da vitória, e por isso é evidente que ele mesmo vai dizer a todos para não sermos precipitados. Quando nos precipitamos, a chance de nos equivocarmos é muito grande. Precipita-se quem está desatento e desconectado dos acontecimentos, das pessoas e do frenético ritmo com que as coisas vão acontecendo. A pessoa precipitada não sabe e não consegue esperar.

E, por fim, é importante que todos nós saibamos, no decorrer de toda a nossa existência, que para uma pessoa vencer na vida, ela precisa assimilar e assumir a seguinte verdade: não se pode ser autossuficiente e fechado no próprio ego.

A pessoa autossuficiente ilude a si mesma pensando que não precisa de ninguém. Todo ser humano precisa de alguém, pois ninguém vence na vida sozinho. Por mais ágil, inteligente, capaz que alguém seja, em algum momento, vai precisar de alguém!

Esta reflexão deseja motivar cada leitor e leitora a continuar elencando outros "ser" e outros "não ser" que deve levar em conta ao longo de toda a sua vida, para traçar e realizar seus objetivos e seus sonhos.

Se levarmos mesmo a sério "o ser e o não ser" diante das mais diversas situações, seguramente emergirá um "vir a ser". E este vir a ser é a consequência na vida de quem sabe, com clareza e empenho, optar por tudo aquilo que esteja de acordo com o que está no mais íntimo de se si mesmo(a). Desta maneira, se alcança o verdadeiro sentido da vida, o que nos faz aprender que tudo na nossa existência vai muito além do ser ou não ser!

DOM VICENTE COSTA

é bispo diocesano de Jundiaí


Notícias relevantes: