Opinião

Respiração consciente

Cerca de 80% das pessoas não sabem respirar corretamente


Divulgação
Liciana Rossi
Crédito: Divulgação

O corpo humano é incrível! A cada respiração inalamos meio litro de ar. Em um ritmo médio de 12 inspirações por minuto (quando estamos tranquilos), entram em nossos pulmões 17 mil litros de ar por dia. Um adulto em repouso respira em média cerca de 16 vezes por minuto, ou seja, ou 23 mil vezes por dia. Aos 30 anos nós já inspiramos e expiramos aproximadamente 250 milhões de vezes.

Com toda essa prática e experiência respiratória deveríamos ser especialistas em respiração, não é mesmo? No meu dia a dia, avaliando pessoas e padrões posturais e respiratórios, eu tenho uma triste realidade: cerca de 80% das pessoas que eu atendo não sabem respirar corretamente.

Daí você me pergunta: mas todos nós não sabemos respirar? Pois é um ato involuntário controlado pelo nosso sistema nervoso. Deveríamos saber sim, porém quando estamos sob estresse nossas funções são alteradas e nossos movimentos respiratórios diminuídos, somos levados fisiologicamente a um estado de alerta, nossa respiração fica curta e superficial.

A respiração superficial, ou seja, aquela respiração mais localizada no peito, acaba elevando os ombros ao recrutar os músculos acessórios da respiração, como aqueles laterais do pescoço que ficam tensos e doem, típicos do estresse. Pesquisas científicas recentes mostram que a respiração rápida, superficial e sem foco pode contribuir para uma série de problemas, incluindo ansiedade, depressão e pressão alta.

Em contrapartida, respirar com o diafragma (em vez de movimentar o peito) para encher os pulmões com mais ar, aproveitando a tridimensionalidade de toda a caixa torácica, sentindo os movimentos laterais das costelas, expirar de maneira mais profunda e ao mesmo tempo, diminuir conscientemente o ritmo da respiração em repouso. Este tipo de respirações lentas e profundas desencadeiam respostas fisiológicas em cascata que aceleram um estado de relaxamento.

Quando inspiramos, a movimentação do diafragma e os músculos intercostais se contraem. O diafragma desce e as costelas sobem, fazendo com que haja aumento do volume da caixa torácica. Essa movimentação faz uma espécie de "massagem" nas vísceras, nos intestinos, o que auxilia os movimentos peristálticos e, consequentemente, melhora a digestão. Esse efeito já pode ser sentido nas primeiras horas respirando profundamente.

Além do que, quando temos oxigênio suficiente no organismo somos mais dinâmicos, temos mais vitalidade, mais senso de humor, mais vida. Será então que poderíamos aprender algo novo sobre respiração, esse instinto tão básico? Claro que sim. Aprimore sua respiração, treine sua respiração com intuito de ter mais saúde e qualidade de vida, se livrar do estresse que tanto maltrata nossos corpos.

Os cientistas estão descobrindo que uma determinada frequência de respiração de cerca de seis expirações por minuto pode ser especialmente restauradora, desencadeando uma "resposta de relaxamento" no corpo e no cérebro. Muitos estudos já mostraram que ao estimular repetidamente o nervo vago durante expirações longas, a respiração lenta pode levar o sistema nervoso a um estado de descanso, resultando em mudanças positivas, como diminuição da frequência cardíaca e pressão arterial. Curiosamente, as pessoas que praticam a terapia respiratória parecem encontrar um ponto ideal em torno de seis respirações por minuto. Isso parece produzir um relaxamento significativamente maior por meio de um tipo de ciclo positivo de retroalimentação entre os pulmões, o coração e o cérebro.

Faça um teste: sinta como você está neste momento (agitado, calmo, preocupado) e conte em um minuto quantos ciclos respiratórios você realiza. Guarde este número. Agora tente respirar mais profundamente, expirando de maneira mais longa e relaxada, tentando fazer com que o ar movimente suas costelas lateralmente, abrindo toda a caixa torácica. Posicione suas mãos na lateral das costelas e sinta o movimento costal. Veja quantos ciclos desta respiração consciente você foi capaz de realizar. Mas preste atenção em como você se sente. Esta respiração nos ajuda a focar, acalmar e concentrar. Feche os olhos e curta este novo estado, se concentre em si mesmo. Treine estas respirações conscientes diariamente e não se assuste se o seu sono, intestinos, digestão, postura e humor melhorarem. Muita saúde a todos.

LICIANA ROSSI é pós-graduada em Treinamento Desportivo (Unicamp), Exercícios Corretivos (Academia Nacional de Medicina Esportiva dos USA), CHEK Practitioner2, HolisticLifestyle Coach2, CHEK Institute/USA, L.P.F. Specialist e graduanda SomaTraining/ELDOA-USA


Notícias relevantes: