Opinião

Esconder-se em um Deus

Em Maria, a obediência na humildade, que se coloca como a serva do Senhor


Divulgação
Maria Cristina Castilho de Andrade
Crédito: Divulgação

O Senhor chegará. Os Seus primeiros sinais, neste ano, me alcançaram após a confissão e orientação espiritual recente com o padre Márcio Felipe de Souza Alves, pároco da Catedral.

Propôs-me ele a meditação do Livro do Gênesis (3, 9-13), depois que Adão comeu do fruto da árvore e o Senhor Deus o chamou dizendo: "'Onde estás?' E ele respondeu: 'Ouvi o barulho dos vossos passos no jardim; tive medo, porque estou nu; e ocultei-me'. O Senhor Deus disse: 'Quem te revelou que estavas nu? Terias tu porventura comido do fruto da árvore que eu te havia proibido de comer?' O homem respondeu: 'A mulher que pusestes ao meu lado apresentou-me deste fruto, e eu comi'. O Senhor Deus disse à mulher: 'Por que fizeste isso?' - 'A serpente enganou-me, - respondeu ela - e eu comi'."

Refletiu comigo sobre "esconder-se de Deus" e "esconder-se em Deus".

Adão e Eva se esconderam de Deus para não assumir a sua desobediência com justificativas levianas.

Penso sobre as vezes que me escondo de Deus para não me apresentar em minha realidade de limites, misérias, vanglórias... As dissimulações para não entrar no vontade do Senhor que me pede renúncia. Deus, no entanto, é misericórdia e vem ao encontro para salvar o que está perdido e isso é possível ao me despir das aparências para me expor a Ele e Lhe dizer: "Jesus, filho de Davi, tem compaixão de mim porque sou pecadora".

Como encontramos no Evangelho de São Lucas (2, 4-14), a partir do recenseamento: "Também José subiu da Galileia, da cidade de Nazaré, à Judeia, à Cidade de Davi, chamada Belém, porque era da casa da família de Davi, para se alistar com a sua esposa Maria, que estava grávida.

Estando ele ali, completaram-se os dias dela. E deu a luz seu filho primogênito, e, envolvendo-o em faixas, reclinou-o num presépio; porque não havia lugar para eles na hospedaria.

Havia nos arredores uns pastores que vigiavam e guardavam seu rebanho nos campos durante as vigílias da noite. Um anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor refulgiu ao redor deles, e tiveram grande temor. O anjo disse-lhes: 'Não temais, eis que vos anuncio uma boa nova que será alegria para todo o povo: hoje vos nasceu na Cidade de Davi um Salvador, que é o Cristo Senhor. Isto vos servirá de sinal: achareis um recém-nascido envolto em faixas e posto numa manjedoura'. E subitamente ao anjo se juntou uma multidão do exército celeste, que louvava a Deus e dizia: 'Glória a Deus no mais alto dos céus e na terra paz aos homens, objetos da benevolência (divina)'."

Maria e José não se furtaram de suas obrigações. Seguiram em viagem difícil. Maria e José não se desesperaram por não haver lugar para eles na hospedaria, recolheram-se na gruta que era abrigo de animais. Os pastores, embora assustados, não se acovardaram, buscaram o Menino.

Natal de verdade: ninguém se esconder de Deus, mas se esconder em Deus na contemplação e, a partir dessa experiência, fazer-se luz que leva a Belém.

Há outra colocação do padre Márcio Felipe: abrir-se ao novo de Deus.

Fazem parte, dos acontecimentos do Natal, os magos que vieram de oriente, ao verem a estrela, para adorar o Menino. Diante do novo, puseram-se a caminho para bendizer o Senhor.

Deus tem me possibilitado uma experiência magnífica a partir da proposta do novo de Deus, ou seja, a cada acontecimento, do dia a dia,surge-me o questionamento sobre como transformá-lo no novo de Deus.

Maria e José são grandes sinais do novo de Deus.

Em Eva, a desobediência com defesa sem fundamento. Em Maria, a obediência na humildade, que se coloca como a serva do Senhor.

Esconder-se em Deus e o novo em Deus - aceno da Providência Divina -, exemplo de Maria como cantam os Anjos de Resgate na música "Maria e o Anjo":

"... Há tanta graça a estar diante de ti/ E o céu inteiro espera por teu sim. / Não temas doce anjo do Senhor/ Escuta o que agora eu vou falar/ Sorria e vai ao céu anunciar/ Sim eu serei a mãe do Salvador. / Ave Maria, quanta alegria, / O céu se encheu de luz/ Pois vai nascer Jesus. / Santa Maria, Deus escolheu-te bem/ E todos os anjos cantam amém".

MARIA CRISTINA CASTILHO DE ANDRADE é professora e cronista


Notícias relevantes: