Opinião

Estresse engorda?

Temos de admitir que estresse engorda, e ele pode ser emocional ou físico


Divulgação
Liciana Rossi
Crédito: Divulgação

As primeiras coisas que pensamos quando o assunto é ganho de peso são comidas, bebidas e sedentarismo. Mas, infelizmente, temos que admitir que o estresse engorda. Ele está relacionado diretamente e indiretamente ao nosso peso corporal, já que o aumento do cortisol, que é o hormônio do estresse, altera o nosso sono, aumenta a nossa fome, nos coloca em fadiga e sem vontade de fazer exercícios, altera nosso humor e diminui a nossa vitalidade.

O estresse é uma experiência emocional que pode alterar nossa bioquímica, nossa fisiologia e nosso comportamento. Todos nós já 'experenciamos' alguma situação estressante, sendo fácil de reconhecer os sinais do estresse em nossos corpos. Desde o aumento dos batimentos cardíacos, da frequência respiratória, da pressão arterial, as pupilas se dilatam, transpiramos mais, há aumento da tensão corporal, diminuição da digestão, até mesmo tremores e falta de coordenação muscular. Tudo isso influenciado pelo nosso sistema nervoso simpático.

O estresse pode ser mental, emocional, físico, químico, ou uma combinação de todos estes. A maioria das pessoas se encontram de uma certa forma sobrecarregadas, estressadas, algumas já num processo de "burnout", que é quando o estresse está crônico e a pessoa acaba se descontrolando quase que diariamente, gerando uma série de problemas sérios, como ataques do coração, úlceras, depressão, dores, síndrome do intestino irritável, ou seja, o corpo está tão descontrolado quanto sua mente e suas emoções.

Quando o estresse passa dos limites, o corpo sente e o cortisol é produzido incessantemente, o que acaba fadigando nossas glândulas adrenais, o corpo fica sem energia, a imunidade cai, deixando o indivíduo propenso a infecções virais, bacterianas e fúngicas. Dores de cabeça, dores pelo corpo todo, etc.

Mas voltando à pergunta inicial: estresse engorda por que? Por que ele acha que você vai morrer. O primeiro instinto que temos é o de sobrevivência. Se você estiver sob estresse, provavelmente seu corpo vai estocar glicose, como fazia com nossos ancestrais, porque trouxemos essa memória. O nosso sistema neuroendócrino não foi "atualizado" para os dias de hoje. Os nossos ancestrais não se alimentavam comendo a cada três horas. Eles comiam quando havia comida.Já o nosso cérebro funciona quase que da mesma maneira a milênios.

O estresse crônico pode nos presentear com uma camada extra de gordura, principalmente na região abdominal, pois nesta região temos um amplo suprimento de vasos sanguíneos e de receptores para o cortisol, o que acaba também retardando nosso metabolismo.

As células de gordura vão se enchendo de energia a fim de nos dar a chance de sobrevivência perante as adversidades da vida.

Para desfazer este processo é preciso acalmar o corpo, a mente, as emoções e comer de maneira anti-inflamatória, já que o estresse inflama nosso corpo e nossos intestinos e acabamos absorvendo mal os nutrientes e tudo vai virando uma bola de neve. A mudança de estilo de vida é o caminho para a grande virada. A atividade física, meditações, trabalhos respiratórios, um hobbie prazeroso, buscar ser feliz, ir devagar com as obrigações, buscar melhorar o sono, a alimentação, buscar leveza no dia-a-dia, ficar ao lado de pessoas que te levem para uma vida mais saudável, pode estimular essa mudança de hábitos, que só trará menos estresse e ajudará a voltar ao seu peso desejado. Muita saúde a todos.

LICIANA ROSSI é pós-graduada em Treinamento Desportivo (Unicamp), Exercícios Corretivos (Academia Nacional de Medicina Esportiva dos USA), CHEK Practitioner2, HolisticLifestyle Coach2, CHEK Institute/USA, L.P.F. Specialist e graduanda SomaTraining/ELDOA-USA.


Notícias relevantes: