Opinião

Saia agora do sofá

Uma pessoa sedentária tem maior risco de ter um acidente vascular cerebral


Divulgação
Liciana Rossi
Crédito: Divulgação

O sedentarismo é a falta de atividades físicas, o que predispõe a pessoa a um gasto energético reduzido, aumentando seu peso, acumulando gordura abdominal e, nas artérias, perda da força física por atrofia muscular, além de cansaço excessivo, dores pelo corpo todo. Um verdadeiro risco para a saúde, podendo chegar a desenvolver apneia do sono e muitos outros problemas.

Uma pessoa sedentária tem maior risco de ter um acidente vascular cerebral, insuficiência renal crônica, cardiopatia e até mesmo problemas de visão. Está muito associado a diabetes, obesidade e doenças cardiovasculares, uma vez que o coração e a circulação não são estimulados e desafiados. Somente com o estímulo do exercício tiramos o corpo da zona de conforto e obrigamos nosso organismo a melhorar inúmeros aspectos, sendo a atividade física o caminho certo para a saúde.

Por isso tudo, o sedentarismo é considerado hoje em dia o 'pai dos males', pois influencia diretamente no bem-estar físico, mental e emocional da pessoa. Pois é, além dos prejuízos físicos, o sedentarismo também está associado ao risco de desenvolver depressão e transtornos de ansiedade. Atualmente, existem mais de 320 milhões de pessoas vivendo com depressão e mais de 260 milhões com transtornos de ansiedade em todo o mundo. Isso é muito mais do que uma questão apenas estética ou de saúde física e sim uma repercussão para o bem-estar mental e emocional que o sedentarismo pode causar.

Segundo estimativa da OMS (Organização Mundial da Saúde), 1 em cada 4 adultos e 4 em cada 5 adolescentes no mundo não praticam atividade física dentro do volume esperado. A recomendação é a de que adultos façam de 150 a 300 minutos de atividade aeróbica moderada a vigorosa por semana, segundo a OMS.

Para virar o jogo é preciso olhar a atividade física como algo em prol da sua saúde e parar de priorizar a família e o trabalho. Você, ou seja, sua saúde, deve vir em primeiro lugar. Não deixe que o conforto de ficar em casa no celular, ou no sofá, vença o desconforto de começar a treinar, a caminhar, a se mexer. É necessário mudar sim o estilo de vida: exercício, alimentação, hidratação, dormir mais cedo, meditação, incorporar novos hábitos que tragam mais disposição e saúde.O importante é a consistência destes novos hábitos.

Um estudo de 2018 'Exercise - inducedpainand analgesia?' nos trouxe que os sedentários sentem mais dores do que pessoas fisicamente ativas já que a serotonina, liberada nos exercícios, é uma grande aliada à dor, e também que nos sedentários há um menor tônus opióide (uma substância que nosso próprio corpo produz para controle da dor), também encontrado na cannabis sativa (na maconha), por isso que os medicamentos à base de canabidiol estão entrando com tudo no mercado como alternativa a muitas drogas nocivas, inclusive, muitos foram aprovados pela Anvisa. Porém, nosso corpo produz isso através do movimento.

Essa é a boa notícia: isso tudo pode ser revertido por meio da atividade física e mudança do estilo de vida. A atividade física tem superpoderes em nosso corpo e em nossa saúde. Além de diminuir as dores, ajuda na prevenção. Ela nos torna mais felizes e bem-humorados, podemos render mais no trabalho, melhorar nosso corpo por dentro e por fora. A verdadeira fonte da juventude. Se você ainda não está em movimento, comece agora mesmo. Muita saúde a todos.

LICIANA ROSSI é especialista em Treinamento Desportivo (Unicamp), Exercícios Corretivos (Academia Nacional de Medicina Esportiva dos USA), CHEK Practitioner2 eHolisticLifestyle Coach2 (CHEK Institute/USA), LPF. Specialist, Eldoa/USA e Reiki Master.


Notícias relevantes: