Opinião

A dança dos números

Tínhamos uma chama de expectativas positivas que, circunstancialmente, aos poucos, vai se apagando: a indústria, que teve desempenho positivo nos meses de novembro e dezembro de 2019, fechou o ano com uma queda de 1,1%. A balança comercial teve o pior desempenho para um mês de janeiro em todos os tempos, com um déficit de US$ 1,7 bilhão. Dados da PNDA - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, do IBGE, indicam que 27,3 milhões de trabalhadores, ou 1/3 do total deles, ganham no máximo um salário mínimo. Com a epidemia do Coronavírus na China, nosso maior parceiro comercial, as cotações das commodities brasileiras experimentam quedas de preços, com prejuízos ao Brasil. Minérios de ferro, caíram 14,3%; petróleo, 15,5% e soja em grão, de 5,3%, além de indefinições do mercado futuro. De positivo, o COPOM - Comitê de Política Monetária do Banco Central - reduziu a taxa básica de juros para 4,25 ao ano, a menor de toda história econômica, reduzindo ainda mais os juros sobre a dívida interna do país. Em 2019, o déficit primário do setor público consolidado foi de R$ 61,87 bilhões ou a 0,85 do PIB - Produto Interno Bruto. Esse resultado foi menos da metade da meta de R$ 132 bilhões. Quem contribuiu para esse resultado foi o Banco Central, que levantou - em 2019 - cerca de R$ 138 bilhões com a venda de dólares da reserva no mercado à vista. O BNDES também desembolsou ao governo cerca de R$ 122 bilhões como devoluções antecipadas de recursos. Com os resultados acima, pela primeira vez em 11 anos, a dívida bruta do Brasil recuou de 76,5% do PIB, para 75,8%, o equivalente a R$ 5,5 trilhões. Com desempenhos positivos e negativos, fica cada vez mais evidente que, se não tivermos, em curto prazo, o encaminhamento das Reformas Administrativa e Tributária, além da privatização de estatais, a economia brasileira voltará a patinar novamente. MESSIAS MERCADANTE DE CASTRO é professor da UNIANCHIETA e autor do livro "O Gerenciamento da Vida Pessoal, Profissional e Empresarial" - Ed. M. Books - SP e Gestor de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia de Jundiaí.

Notícias relevantes: