Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Renato Nalini: Amazônia à beira do abismo

José Renato Nalini | 10/03/2018 | 16:21

A maior reserva florestal do continente e uma das últimas do planeta está prestes a desaparecer. Quem afirma é o climatologista Carlos Nobre, que integra a Academia Brasileira de Ciências, e o biólogo Thomas Lovejoy, da Universidade George Mason, da Virginia (EUA).

Eles alertam que se o Brasil não acordar e evitar que o desmatamento supere 20% da área original, a probabilidade a Amazônia deixar de ser floresta é mais do que uma ameaça: é uma certeza.

Ocorre que a insensatez é a característica humana mais evidente em nossos tempos. A insensibilidade, o egoísmo, a busca incansável do lucro, a desconsideração por aquilo que não criamos, mas que sabemos destruir de forma célere, tudo contribui para que o perigo cresça a cada dia.

O mundo científico, o mais habilitado a convencer a política nefasta, o consumismo cruel e a ignorância crescente, nem sempre se posiciona em favor da natureza. Durante muito tempo a questão ambiental foi considerada catastrofismo, fundamentalismo de eco-idiotas ou modismo. Só que as mudanças climáticas estão aí, amiúdam-se e mostram que o ambiente está enfermo. Gravemente enfermo.

O momento é o de uma conjunção de valores destrutivos. O mais óbvio e criminoso é o desmatamento. proxima-se dos 20%, pois já ultrapassou os 17%. A destruição da floresta e as queimadas tornam a cobertura vegetal mais vulnerável durante períodos de seca. A luz solar penetra com facilidade maior, acelerando o acúmulo de matéria vegetal inflamável. É registrada pelos meteorologistas a sequência de maiores períodos de seca. Os cientistas confirmam três episódios fora da curva em 2005, 2010 e 2015.

Pode colaborar com isso um aquecimento anormal das águas do Atlântico. Isso interfere no regime de chuvas. Tudo tem impacto péssimo para a disponibilidade de água em boa parte da América do Sul. A Amazônia, intocada, seria capaz de reciclar seus próprios recursos hídricos, por meio dos processos de evaporação e transpiração das árvores e pelas moléculas orgânicas por elas produzidas. Isso é que ocasiona a condensação das nuvens de chuva.

José renato Nalini

Ninguém parece levar a sério a advertência dos estudiosos. Ali a queda já começou. Será diferente nos microssistemas como a Serra do Japy?

JOSÉ RENATO NALINI é secretário estadual de Educação


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/amazonia-a-beira-do-abismo/
Desenvolvido por CIJUN