Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Ciência, rigor e método

LUIZ FERNANDO MACHADO | 15/05/2020 | 07:00

Iniciamos há cerca de uma semana uma nova etapa de enfrentamento ao coronavírus em Jundiaí. O protocolo de saúde chamado de “inquérito epidemiológico” propõe a realização de ampla testagem na população. A proporção de testes aplicados em nossa cidade passa a ser de 47 a cada mil habitantes. Um feito notável ao compararmos com a Alemanha, que é referência mundial no combate ao coronavírus, com cobertura de 25 testes para cada 1 mil habitantes.

Como todas as medidas que temos tomado frente à crise, o investimento em 20 mil testes rápidos feito pela Prefeitura de Jundiaí cumpre o mesmo propósito. É valer na prática a ciência, o rigor e o método, colocados à frente de qualquer achismo. Mais testes significam dados mais confiáveis sobre casos confirmados. Massificar a testagem para diagnóstico da covid-19 é crucial para ‘achatar’ a curva de disseminação do vírus de acordo com o Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP).

Os testes são do tipo IgG/IgM e IgG, realizados com gota de sangue da pessoa a ser testada. O resultado é conhecido em 10 minutos. Pelos tipos de testes, é possível ter a noção não apenas de quantas pessoas estão doentes hoje, mas quantas assintomáticas já enfrentaram silenciosamente o vírus.

A primeira etapa de testagem atende a todos os pacientes que já passaram por algum equipamento de saúde com notificação de síndrome gripal, a partir do dia 26 de março. Os comunicantes (que vivem na mesma casa) dos pacientes positivos também são testados, assim como novos pacientes com sintomas que buscam pelos serviços, além dos profissionais da saúde pública e das forças de segurança.

Para esse trabalho, a Prefeitura conta com o apoio da Faculdade de Medicina de Jundiaí. Não é um teste em massa aleatório: o inquérito epidemiológico subsidia o município no processo de tomada de decisões. Ter o dado, interpretar o dado e tomar iniciativas a partir disso é o que faz toda a diferença.

Não há, até o momento, qualquer remédio, vacina ou certezas sobre o novo coronavírus. Até aqui, alcançamos resultados por conta do planejamento criterioso das equipes técnicas e do apoio das pessoas às medidas de distanciamento social e aos cuidados com a higiene.

As gestões públicas são transitórias e só encontram a sua razão de ser quando provocam impactos positivos sobre as pessoas. Diante dessa nova medida de inquérito epidemiológico, não diferente das outras colocadas em prática, nosso objetivo permanece o mesmo: salvar vidas.

LUIZ FERNANDO MACHADO é prefeito de Jundiaí.


Leia mais sobre |
Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/ciencia-rigor-e-metodo/

Notícias relacionadas


Desenvolvido por CIJUN