Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Eduardo Carlos Pereira: Sem mortos e poucos feridos

EDUARDO CARLOS PEREIRA | 02/06/2018 | 02:13

Todos os partidos, cada um da sua maneira, disseram que eles que fizeram a greve. Os caminhoneiros, por sua vez, disseram que não tinha nenhum partido atrás e que a questão era que estavam contando com o Exército. Para nossa sorte, o Exército, muito competente, acabou com a greve. Os urbanistas mais complexos já lembraram que o plano “rodovialista” brasileiro estava falido e que essa greve é a maior prova disso. Os veganos falaram que agora é hora de plantar horta. Eu, com o meu trabalho feito na Colônia, digo que é hora de voltar a fazer os escambos. O que você tem para trocar pelo meu chuchu? Preciso de um porco para assar e estou sabendo que tem muitos jogados fora. Só não me mande por Sedex, pois não vai chegar!

Eduardo Carlos Pereira - colunista Jornal de Jundiaí

CONFIRA MAIS COLUNAS DE OPINIÃO DOS ARTICULISTAS DO JORNAL DE JUNDIAÍ

Xô gasolina! Para quê? Não precisamos mais. Agora a matriz energética é outra. Todos os carros daqui para a frente serão elétricos, disseram os bioenergéticos. Minha amiga professora mandou arrear a charrete e tocou do Caxambu para Louveira. “Sensacional”, gritaram as professoras. Vou comprar um cavalo também. A Ermínia Maricato insiste que o projeto ”rodovialista” do Brasil está falido. E agora, Erminia? O que fazer com tanta infraestrutura de autoestradas? Da caríssima rodovia dos Imigrantes? Vamos inverter? Vamos sucateá-las para fazer trem? Fizeram o trevo enorme na av. 9 de Julho para quê? Sendo que agora só passa bicicleta. As empresas de entrega com bicicletas, bicicletas elétricas e motos elétricas gozaram de tanto prazer. Dizem que é um sucesso e que estão tendo que declinar a maioria dos pedidos. O prefeito, muito gentil, indicou 3 postos para abastecermos. Um presente! Congestionou tudo e alguns usaram as últimas gotas de combustível no tanque para ir ao posto abastecer e…. Ficaram por lá!

O sensacionalista disse que “Caminhoneiro que pediu intervenção militar em 2015 é o primeiro a apanhar hoje”. O Exército vai liberar os caminhoneiros e até prender os rebeldes que não querem atender à intervenção que eles mesmos pediram! E aqui tivemos uma passeata pela ditadura!!!!! O quê? Xô ditadura. Agora neste sábado, depois de uma semana perdida, com feriado para ajudar, os que têm posto de gasolina estão se divertindo. Irão para a praia e só vão comer peixe, ou para Campos do Jordão beber as cervejas de lá, porque o resto não tem (risos)… É o discreto charme da burguesia se não tiver café. Se não tiver chá, fazer sem chá. Agora, se você não puder ler este artigo no jornal físico, tente no site www.jj.com.br, porque na segunda não tinha jornais na banca. Caso tenha histórias engraçadas para contar, escreva nos comentários do site. Só consegui escrever isto depois de tomar um Valium (risos). Viva o Valium!

EDUARDO CARLOS PEREIRA é arquiteto e urbanista, autor do livro “Núcleos Coloniais e Construções Rurais”. Foi presidente do Conselho Municipal do Patrimônio Cultural de Jundiaí (Compac), de 2008 a 2011, e conselheiro do Compac, de 2014 a 2016. É membro do Icomos – Conselho Internacional de Monumentos e Sítios


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/eduardo-carlos-pereira-sem-mortos-e-poucos-feridos/
Desenvolvido por CIJUN