Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Espaço do Cidadão – 01/05/2019

ESPAÇO DO CIDADÃO | 01/05/2019 | 04:00

UM BANDO DE LOUCOS
O título deste texto seria adequado a uma transmissão radiofônica na qual se exaltasse o fanático entusiasmo da torcida corintiana! Contudo, a frase foi usada com ódio e estupidez para criticar o governo do Brasil. Presumo que a ignorância do verbal agressor nem saiba dos longos elogios dedicados à loucura, não metaforicamente como nos fãs do Corinthians, mas religiosamente, na visão do apóstolo Paulo em sua Carta aos moradores de Corinto (1Cor. 1, 18,21): “A linguagem da cruz é loucura para aqueles que se perdem, mas, para nós, para aqueles que se salvam, é poder de Deus…. Deus não tornou louca a sabedoria deste século?”
A sabedoria pagã também exaltou a loucura. Platão afirmava em seu diálogo “Fedra”: os maiores bens nos são ofertados através da “Loucura” que é um dom divino! (cf.Abbagnano, traduzido por Alfredo Bosi). Os principais sentidos da loucura platônica seriam a purificadora, a poética e a entusiasticamente amorosa! Neste sentido, a Loucura é amor à vida em sua simplicidade, contraria à ciência sombria de quem sabe tudo, menos viver e amar!…
No mesmo sentido platônico encontramos uma obra histórica, a respeito do tema, escrita pelo sábio holandês Erasmo de Rotterdam (1509), “O Elogio da Loucura”. Numa visão crítica do comportamento humano e da sabedoria estóica, ele fustiga esse “que se julga o único rei, o único sábio, o único livre, numa palavra, julga-se o Todo! E o mais interessante é que ele é o único a julgar-se tal!… Quem não preferiria, a este homem, qualquer outro, por mais louco, que soubesse mandar e obedecer aos loucos, e fosse complacente com a esposa, bom com os filhos e não se julgasse estranho a tudo aquilo que pertence à Humanidade?”
Esta obra, escrita por Erasmo, certamente não é da leitura de um ex-presidente condenado, que deveria dedicar-se aos livros, mas prefere sair a público com a bandeira de uma suposta loucura para fundamentar críticas inócuas. Conhecer o “Elogio da Loucura” do filósofo holandês seria indispensável a todo cidadão que exerça poder público.
Antônio Luiz Gomes

RADARES DE TRÂNSITO EM JUNDIAÍ
Acidentes fatais acontecem com ou sem radares. Quem não cumpre leis de trânsito, quem bebe e acha que a rua é só dele, vai continuar fazendo isso com os radares. Simples assim. Radar é indústria de multa.
Claudia Alencar


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/espaco-do-cidadao-01052019/
Desenvolvido por CIJUN