Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Espaço do Cidadão – 02 de junho de 2018

ESPAÇO DO CIDADÃO | 02/06/2018 | 02:45

BUSCA PELA FELICIDADE E FRUSTRAÇÃO: “Carpe diem”, ou aproveite o momento, é uma frase que ganhou destaque global com o lançamento do filme “Sociedade dos poetas mortos” em 1989. Quase 30 anos se passaram desde então. Um filme dirigido por Peter Weir que mostra uma afeição exaltada à felicidade na vida. Ao longo do filme, um professor atencioso e apaixonado pelo que faz – interpretado por Robin Williams – ajuda um grupo de jovens a dar um passo em suas vidas e a não permitir que sejam apenas mais uns no meio da multidão. Ele os encoraja a fazer com que sua existência seja especial. Mas o tema que quero abordar é outro. A busca pela felicidade luminosa em cada garfada que se dá na mesa da vida é um caminho sem volta para a frustração. Aprender uma segunda língua é mais fácil quando você tem entre 7 e 8 anos. Isso porque as conexões cerebrais ainda não ficaram rígidas demais sobre palavras e seus significados. Essa flexibilidade torna o aprendizado de novas palavras e línguas muito mais fácil. A idade em que melhor lembramos nomes de quem conhecemos é por volta dos 22 anos. Coincidentemente, com 22 anos costuma ser o momento em que nosso desejo de socializar e fazer novos amigos está no auge. Mulheres parecem ser mais atraentes para os homens por volta dos 23 anos, independentemente se os homens têm mais ou menos idade. Já os homens sempre são mais atraentes para as mulheres quando um pouco mais velhos, mesmo quando as mulheres estão mais velhas. Os ganhadores do prêmio Nobel fizeram suas maiores descobertas com 40 anos em média. As pessoas costumam fazer seu trabalho mais significativo na meia-idade. As pessoas realmente ficam mais sábias com a idade e, aparentemente, o tempo vivido é uma excelente sala de aula. Essa regra não conta se você passa a maior parte do tempo tirando cochilos ou falando mal da vida alheia. Apesar dos dados apresentados acima serem reais eles representam uma estimativa. Existem infinitos exemplos de pessoas fazendo coisas extraordinárias em idades incomuns. Não podemos esquecer que idade é apenas um número e que, com o pensamento certo, nunca atingimos o auge, pois sempre continuamos nos desenvolvendo. É altamente improvável que qualquer um de nós solucione os problemas de fome e corrupção ou consiga fazer paz entre os povos. Fazer o seu melhor na direção que suas mãos e palavras alcançam talvez seja a sua grande oportunidade de ser especial e fazer a diferença no mundo.

Guilherme de Almeida – bacharel e especialista em Direito


Leia mais sobre
Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/espaco-do-cidadao-02-de-junho-de-2018/
Desenvolvido por CIJUN