Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Espaço do Cidadão – 04/08/2018

LEITOR | 04/08/2018 | 05:00

QUANDO A ESQUERDA SOBREVIVE DAS PALAVRAS: Acredito que, entre todos os textos que escrevi até hoje, nunca tenha me debruçado sobre o porquê de a retórica esquerdista haver sobrevivido e ter sido tão atrativa na história do mundo como foi na América Latina. Graças a uma insônia, comecei a refletir não sobre a disputa eleitoral que estamos já vivenciando, tampouco sobre seus candidatos, mas fiz uma profunda análise do que mais me fascina no mundo da retórica esquerdista na defesa de seus “ideais”, sempre repletos de “segundas intenções”.

É realmente interessante, e explica muito os motivos da engenhosa postura da esquerda no mundo, sua astúcia na impregnação de conceitos nas lacunas da sociedade que me parece às vezes “pega de surpresa”, pois esses intelectuais esquerdistas sempre se anteciparam em lograr argumentos para manipular, em ambiente fértil, no qual os incautos poderiam enfim se aliar a suas causas.  Thomas Swell é um economista norte-americano, crítico social, filósofo político e autor liberal conservador. Nasceu na Carolina do Norte, mas cresceu em Harlem. Graduou-se em Economia na Universidade de Harvard em 1958 e depois fez mestrado em economia pela Universidade de Columbia.

Como intelectual e negro, sempre foi contra as ações afirmativas e seus textos são de uma genialidade ímpar, ao fazer uma exegese do pensamento retórico esquerdista no decorrer dos anos desde o século 18. No Brasil, a esquerda sempre se utilizou das argumentações bem pensadas antes de colocá-las em prática. Uma das curiosidades é que o PT, por exemplo, assim como os demais partidos de esquerda – que na verdade nunca foram de esquerda, pois nunca existiu uma direita forte no Brasil -, sempre se referiu a seus adversários como “conservadores”.

Essa era a palavra mais usada e em palanques diziam que o “conservadorismo estava arraigado no Brasil”, que as “atitudes conservadoras” eram culpadas pela miséria, que banqueiros conservadores usurpavam os pobres, e assim por diante, num país em que o conservadorismo nunca existiu!

Só hoje, em 2018, é que os conservadores mostram sua cara, falam o que pensam e defendem suas ideias, demonstrando coragem e indignação pelo fato de a esquerda haver destroçado nosso país com a corrupção, a ladroagem e a politicagem, saqueadoras do erário público. Portanto, desde que surgiram os conservadores no Brasil, a esquerda jamais voltou a usar o termo conservador para desqualificar adversários, como outrora fazia. Desmascarar as táticas da esquerda sempre foi um trabalho muito bem elaborado pelo conservador Thomas Swell. Finalizo com a famosa frase dele ao se referir à liberdade: “A liberdade custou muito sangue e sofrimento para ser renunciada por uma retórica tão barata”.
Fernando Rizzolo – advogado e jornalista


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/espaco-do-cidadao-04082018/
Desenvolvido por CIJUN