Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Espaço do Cidadão – 08/12/2018

LEITOR | 08/12/2018 | 04:00

CUMPRIMENTOS AO GRANDE THEÓ!: Neste sábado é o aniversário do meu amigo Théo Conceição, com quem trabalhei durante longo período neste Jornal de Jundiaí. Consagrado jornalista que há muitos anos se destaca como cronista social, é uma pessoa manifestamente respeitada como ser humano e profissional. Assim, cumprimento-o pela celebração, registrando publicamente meus sinceros votos de muita saúde e paz, felicitando-o ainda por sua vitoriosa carreira.
José Carlos João Martinelli, advogado

ESQUERDA? DIREITA? VOLVER!: Em nosso tempo de ginasianos, os professores de Educação Física, na maioria, vinham das fileiras militares. Sargento Ariston e Tenente Rennó nos colocavam em ordem unida, davam ordens de comando, e nós sabíamos partir com o pé esquerdo e medir a distância da frente, com o braço direito esticado. Volver para a direita ou esquerda não deveria ser problema. Hoje, os conceitos de esquerda ou direita estão confusos. Acabo de ver uma reportagem com estudantes bávaros, em Munique, opinando sobre o Brasil e as eleições. Dizem desconhecer a política brasileira, mas lhes parece que o novo presidente é de “direita”, ou até “extrema direita”. Contudo, vacilam quanto a um julgamento de mérito; na maioria, aguardarão para uma futura avaliação. Da mesma forma, há incertezas quanto ao conceito de democracia, ou seu real significado, proveniente dos gregos “demos” (povo) e “kratos” (poder), seja da assembleia de Clístenes ou Péricles. Assim, também parece esquecida a origem dos termos “direita” ou “esquerda”, proveniente das posições dos participantes na Assembleia, em Paris, depois de 1789. Nos assentos mais à direita ficavam os nobres, ricos, enquanto os mais pobres, os “sans-culottes” se postavam na outra extremidade, tipificando assim um status econômico! Atualmente a dicotomia se tornou impraticável. Associar “esquerda” com liberdade e “direita” com ditadura, é uma piada. Por exemplo, perguntaram se Getúlio Vargas foi de esquerda ou direita. Teria sido de “esquerda” pelas medidas populistas para os trabalhadores? Mas como ignorar sua admiração pelo fascismo, autoritarismo e favorecimento a teses de Hitler, inclusive com a deportação de Olga Benário? Contradições, que atualmente se evidenciam em muitos governos ditos “socialistas” como fachadas de longas, cruéis e insensatas ditaduras. Se recorremos ao Dicionário, para um esclarecimento sobre o sentido daquelas palavras, percebemos o significado de “direita” como proveniente do Latim, “dextra”. Já a “esquerda”, no mesmo idioma, se traduz como “sinistra”. No correr dos tempos, a “sinistrose” parece ter tomado conta de alguns partidos e políticos! Então, faz sentido o clamor dos que desejam esse bom futuro para a Pátria: “Endireita, Brasil”.
Professor Antônio Luiz Gomes


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/espaco-do-cidadao-08122018/
Desenvolvido por CIJUN