Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Espaço do Cidadão – 14/05/2019

ESPAÇO DO CIDADÃO | 14/05/2019 | 04:00

MATERNIDADE E POESIA, TUDO A VER
Se considerarmos uma sublime obra do Criador a vida de um ser vindo à luz do infinito Universo, é a gloriosa e incumbência divina que Ele presenteou à mãe bendizendo sua missão! O dr. João Carlos José Martinelli, trouxe para todos nós que o consideramos exemplar comunicador e chefe de família com muito amor sempre exaltando o valor imenso da mulher em tudo e principalmente à maternidade! O mês de maio caracteriza-se por uma forte celebração, o Dia das Mães. Mãe evoca poesias, encanto, ternura e muito amor. Mulheres que fazem da criação a oportunidade consciente de promover o ser humano em todas as dimensões e de anunciar ao mundo que os valores humanos e os verdadeiros princípios ainda são e continuarão sendo base de uma sociedade coerente e justa. Capacidade de amar as pessoas alvo de respeito e admiração pelos atributos que supõem: doação, abdicação, afeto e persistência. A maternidade é venerada: dom natural da vida, fortalece união de casais, estrutura a instituição de família e se firma como o aspecto principal da dignidade feminina. Para alguns, “ser mãe é padecer no paraíso” para outros realistas, trata-se de: mescla de alegrias, dores, renúncias e felicidade. Ser mãe é vivenciar tudo isso e muito mais e não é fácil em palavras o que se passa nas profundezas de seu coração. Sentido simbólico dessa comemoração é muitas vezes apagado: ímpetos consumistas, aspectos materiais fogem do significado da comemoração, prevalece a compra de um presente. A sua história é contradizente! O presidente Getúlio Vargas que, através do Decreto 21366 de 5 de maio de 1932, criou oficialmente o Dia das Mães no Brasil, atendendo a iniciativa da Associação Cristã de Moços de Porto Alegre, inspirada em Anna Javis que o havia lançado nos Estados Unidos. Mas a sua história se inicia na Grécia Antiga, quando a data era comemorada em setembro, início da primavera, como homenagem a Rhea, “mãe dos deuses”. Em 1660, passou a ser invocada na Inglaterra, no quarto domingo da Quaresma. Em 26 de abril de 1910 a americana conseguiu realizar a primeira comemoração no Estado de Virgínia e, em 1914, o governo a unificou no segundo domingo de maio . Mais de 40 países já a haviam adotado. Em 1923 Anna entrou com processo para cancelar a celebração não contente com a transformação em lucro dos comerciantes, sem sucesso.
Parabéns dr. João Carlos José Martinelli!
Adão Antônio Motta


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/espaco-do-cidadao-14052019/
Desenvolvido por CIJUN