Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Espaço do Cidadão – 19/03/2019

ESPAÇO DO CIDADÃO | 19/03/2019 | 04:00

TIROS, MACHADADAS, FACEBOOKS
O trágico massacre da Escola “Raul Brasil”, de Suzano, comparável em semelhança ao ocorrido em 2011 na escola carioca do Realengo, teve milhares de comentários. Todavia, pareceu-me excelente a apreciação feita pelo editor da “Record”, Carlos Andreazza. Enquanto se retomava a lenga-lenga do debate entre vender ou não vender, possuir ou não possuir armas, Andreazza elevou ponderações ao nível metafísico da valorização humana, psíquica e espiritual. O que falta ou sobra ao jovem de hoje não é arma: é o esteio da ética, dos valores, da Família, da Igreja, de uma sociedade na qual a Escola deixe de ser simplesmente a transmissora de tolices do marxismo de Gramsci ou Chauí e se constitua no farol apontando para possibilidades e realidades futuras, que o presente já suprimiu.
A educação, na sociedade brasileira, flutua sobre manifestações vazias oriundas do materialismo dialético ou da anarquia psicanalítica. O apelo mais fácil foi o da internet, pela qual nem a família, nem a escola, nem os mandamentos da Fé puderam moldar um tipo ideal de Educação. Lembra oportunamente Olavo de Carvalho (já em 2008) que “as sociedades… devem transmutar a linguagem comum em instrumento de encontro genuíno entre seres humanos”. (“Idiota”, pg.93). Mas o que se percebe é que o encontro social de hoje se dá pela trilogia “celular- individuo emissor + indivíduo receptor –celular”. Não existe mais o “olho-no-olho”, e sim, o “celular-no-celular”…
O fato de alguém matar o outro, via Facebook, se torna tão fácil como eliminá-lo a tiros ou machadadas. E ainda, pondera o citado Olavo que, “enquanto nos outros países as pessoas só imitam aquilo que desejam tornar-se no futuro, os brasileiros se contentam com uma imitação enquanto tal!”. Vazio existencial, sem família, sem Deus, sem Pátria, o jovem brasileiro está numa apavorante indefinição. Qual analista conseguirá livrá-lo desse “bulling”? Os infelizes de Suzano apelaram até para um passado exótico, de bestas e machados! No meu tempo, para ser sincero, a única arma que entrava em nossas escolas, era o Machado de Assis.
Antônio Luiz Gomes

ATENTADOS PELO MUNDO
Um atentado por dia: Massacre na escola em Suzano, massacre em templos na Nova Zelândia, e agora atentado em um trem na Holanda. Todos em menos de uma semana, e estamos apenas no primeiro trimestre de 2019. O que está acontecendo com as pessoas? Que mundo é esse que aguarda nossos filhos? Mais amor, por favor!
Leo Costa


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/espaco-do-cidadao-19032019/
Desenvolvido por CIJUN