Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Espaço do Cidadão – 20/12/2018

LEITOR | 20/12/2018 | 04:00

RECUPERAÇÃO DO MUSEU: Passados 100 dias do incêndio que destruiu, no dia 2 de setembro, o Museu Nacional do Rio de Janeiro, a primeira parte das obras emergenciais no prédio histórico chegou a 51%. Segundo o diretor do museu, Alexandre Kelner, já foram recuperadas dos escombros 1.500 peças e conjuntos, mesmo antes da etapa de salvamento ter sido iniciada.
A obra atualmente está na fase de escoramento do prédio, de proteger o prédio para que a entrada seja liberada e então, tentar procurar mais peças que sobreviveram ao desastre. Fiquei feliz em saber que ainda há esperanças de recuperar mais obras de artes. O diretor do museu explicou essa semana que até agora foi retirar o material apenas dos locais onde a empresa contratada para as obras emergenciais teve que trabalhar. De vez em quando, foram feitas algumas incursões procurando material, como foi da Luzia e dos meteoritos. Mas a fase de salvamento propriamente dita vai se iniciar em algumas semanas.
Em um balanço apresentado essa semana, o Museu fez um balanço sobre o que conseguiu recuperar até agora, além de fragmentos do crânio de Luzia, mais antigo fóssil brasileiro, foram encontradas peças que fazem parte das coleções de Pompeia, do Egito e do México, de arqueologia e de minerais.
Na avaliação da direção. o trabalho tem conseguido recuperar mais material do que os pesquisadores esperavam. O que tem deixado a equipe entusiasmada. Estão coleando muito mais material do que esperavam, e de uma forma muito melhor.
A cobertura provisória do prédio deve ficar pronta também em um mês e novas equipes poderão trabalhar. É como se tivesse sítios arqueológicos diferentes em cada um dos espaços do museu. Essas equipes vão fazer, então, minuciosamente, o resgate do material. É um trabalho que demora muito tempo e tem que ser feito com cuidado, para que não se perca informação.
Que boa notícia! Estou na torcida para que o ano novo comece com mais notícias de peças recuperadas. É o nosso passadosobrevivendo aos desastres da atulialidade, aprontando um novo futuro. Acompanharei cada nova ‘descoberta’, que apesar de ser ‘redescoberta’, terá um gostinho de novidade. Apesar da grandeza dessa tragédia que marcou o ano de 2018 , ainda há esperanças para 2019.
Mario de Genaro


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/espaco-do-cidadao-20122018/
Desenvolvido por CIJUN