Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Espaço do Cidadão – 27/07/2018

LEITOR | 27/07/2018 | 05:30

ECLIPSE DA LUA, MARTE E OUTROS PLANETAS DÃO ESPETÁCULO NO CÉU: Na noite desta sexta-feira (27), teremos um eclipse total da lua. Ainda quando estiver abaixo do horizonte, às 15h24, a lua cheia começará a “mergulhar” na sombra da Terra e às 16h30 estará toda coberta pela sombra de nosso planeta. No Brasil, para observadores de São Paulo, a lua nascerá eclipsada às 17h40 e o pôr do sol ocorrerá às 17h42. Este será o eclipse lunar mais longo do século, pois a lua ficará 1h42min dentro da sombra da Terra. Mesmo assim, será um fenômeno raro e um desafio tentarmos observar a lua nascendo totalmente eclipsada e o sol se pondo do outro lado do horizonte. Às 18h13 a lua começará a sair da sombra, a cerca de 5 graus de altura sobre o horizonte, até que às 19h19 sairá por completo e estará novamente toda iluminada pelo sol, a cerca de 20 graus.

Quando a lua estiver toda imersa na sombra poderá tomar uma cor de cobre, avermelhada. Ocorre que a luz do sol atinge a Terra e passa pela atmosfera. Os componentes da luz branca, que produzem as cores vermelha e laranja, espalham-se pelo ar cobrindo o céu com as cores do sol no alvorecer e no crepúsculo. A refração transforma essas cores em sombra, por isso a lua fica avermelhada. Os eclipses lunares forneceram a primeira prova de que a Terra é redonda e foram utilizados em vários estudos como a rotação da Terra, o tamanho, a distância e movimentos do nosso satélite. Também contribuíram com a História na determinação de datas em tempos remotos.

Durante o eclipse e nas horas seguintes também será visível, bem brilhante e ao lado da lua, o planeta Marte. O famoso “Planeta Vermelho” estará em posição oposta ao sol. Assim, quando este se põe no horizonte oeste, Marte está nascendo no leste e será visível durante a noite toda. Como os planetas têm órbitas em torno do sol aproximadamente no mesmo plano, podemos representar suas trajetórias como dois círculos com o mesmo centro, sendo a órbita interna a da Terra e a externa a de Marte. Assim, se a Terra estiver num certo ponto de sua órbita, o ponto em que Marte estará mais próximo a ela é aquele em que está do lado oposto ao sol. Mesmo assim, como as órbitas dos planetas não são perfeitamente circulares, mas elípticas, a data de maior aproximação entre eles ocorrerá no dia 31 de julho. Além disso, Marte está em oposição periélica, ou seja, perto do seu ponto mais próximo do sol.

Nestes dias, Marte estará a “apenas” 58 milhões de quilômetros da Terra. A última vez que os planetas estiveram mais próximos foi em 2003 – cerca de 56 mil quilômetros de distância. A próxima grande aproximação só ocorrerá em 2035! Como sugestão para professores, é importante estimular junto a seus alunos a observação do céu para notarem que os planetas se movem por entre as estrelas.
Prof. Paulo Sergio Bretones – DME/UFSCar


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/espaco-do-cidadao-27072018/
Desenvolvido por CIJUN