Opinião

Espaço do Cidadão - 28/08/2019


A INTERDISCIPLINARIDADE NA ESCOLA Ao propormos uma reflexão sobre a temática que circunda a interdisciplinaridade, certamente estamos nos envolvendo em um intenso debate que, obrigatoriamente, entrelaça as relações humanas, a formação inicial e continuada do corpo docente, o currículo escolar e as legislações educacionais voltadas para a educação básica. Entretanto, como um pontapé inicial, antes mesmo da observação (e crítica) à sociedade contemporânea, a conceituação do termo “interdisciplinaridade” é basilar. Tomamos aqui como interdisciplinaridade a desfragmentação curricular e disciplinar, envolvendo o diálogo e a coordenação frente ao trabalho docente e as ações com trocas de conhecimento entre as próprias ciências. Assim, os universos, escolar e de conhecimento, se ampliam e as disciplinas não ficam presas em suas especificidades, mas se complementam e enriquecem a escola, os saberes e o processo de escolarização de nossos estudantes. Socialmente, e na prática educacional, esse conceito de interdisciplinaridade imbrica, necessariamente, em uma ruptura paradigmática, ou seja, é preciso transformar o ambiente e as ações que lá estão. Nesse contexto, modificar ações torna-se fundamental, bem como transformar o olhar e a maneira de fazer escola e de auxiliar na construção do conhecimento e da formação integral de nossos alunos. Comumente nos deparamos com alunos no ensino superior que desconhecem práticas interdisciplinares e mais, apresentam uma relutância em participar de atividades que se apresentam nesse formato. Claramente, tais ações são reflexo da construção do seu processo de escolarização fragmentado. É preciso conscientização, sobretudo, política e docente. A interdisciplinaridade deve vir para somar, afinal, qual tipo de ser humano desejamos formar? Qual sociedade almejamos? Certamente, precisamos de seres atuantes, pensantes, ativos, com voz e consciência social e política, autonomia e posicionamento. A partir disso é importante refletir sobre o modelo escolar e curricular que possuímos, além das ações docentes que muitas vezes, ainda e infelizmente, são praticadas em um cenário disciplinar. Esse paradigma docente precisa ser quebrado e um exemplo positivo dessa tentativa é a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Enfim, somos sujeitos partícipes de uma sociedade que não é disciplinar, ela é a fusão das ciências, dos saberes, das culturas, dos conhecimentos, ou seja, ela é interdisciplinar e precisamos preparar nossos alunos — incluindo o ensino superior — para atuar ativamente nessa sociedade. Kellin Inocêncioa

Notícias relevantes: