Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Espaço do Cidadão – 28/12/2018

LEITOR | 28/12/2018 | 04:00

IPVA MAIS BARATO: Esse foi um jeito educado pra falar que “aí, seu veículo perdeu 3,34% do valor da FIPE”, falando que vai ficar mais barato muitos pensam “que legal finalmente está acontecendo algo bom”, só que não meu amigo, as alíquotas continuam o mesmo assalto, o que diminui foi o valor de mercado do seu carro. É triste demais ver isso. Renê Sampaio

MENINO DE 11 ANOS ATROPELADO NA VILA HORTOLANDIA: Pois é, as crianças hoje em dia não tem noção de perigo e acham que sempre estão na razão. Entram com tudo nas curvas e os motoristas são obrigados a adivinhar que eles vão entrar ali. Passou da hora dos pais começarem a explicar sobre as regras de trânsito quem sabe assim diminui um pouco esse tipo de acidentes. E melhoras pro menino.
Elaine Fatima Silverio Silva

PARA TERMOS BOAS FESTAS: Platão (427 a.C. – 347 a.C.) foi um filósofo, pensador e matemático grego. O amor em Platão tem a ver com ausência. É um amor à distância. Transportando o conceito de amor platônico para a atualidade, no qual ele pode ter perdido parcialmente tal significado pelas mudanças sociais ocorridas, ainda se escuta falar daquele amor incompleto e que somente encontrará a sua completude, se a outra metade cruzar o caminho. Daí as expressões: ‘a metade da laranja’; ‘a luva das mãos’; a ‘tampa da panela’; a ‘alma gêmea’. O amor em Platão vem do exterior ao homem. Três séculos e meio, depois de Platão, nasceu Jesus de Nazaré. O amor em Jesus é inteiro e habita o interior humano, e, por assim ser, não necessita do outro para a sua completude. O amor em Jesus se manifesta no abraço da mãe, que concede segurança ao filho na sua caminhada pela vida; na figura do pai que representa o modelo que o seu filho procura seguir; na aula do professor que visa a aprendizagem e o sucesso do seu aluno; na escuta do(a) psicólogo(a) que acalma os espíritos inquietos; nas mãos do médico que examina e prescreve o remédio que alivia as dores do corpo; nos gestos solidários dos benfeitores que visitam os hospitais oferecendo o consolo aos que sofrem; no amparo dos anônimos que auxiliam àqueles menos favorecidos pela vida… Enfim, o amor em Jesus se manifesta quando se dedicam ações, sentimentos e pensamentos ao outro, para que a vida dele seja melhor. Que se pense nisso nesses tempos modernos de consumismo, de intolerância, de indiferenças, de mágoas, de rancores e violência.
Ivo Carraro


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/espaco-do-cidadao-28122018/
Desenvolvido por CIJUN