Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Folia e desemprego

Vânia Mazzoni | 19/02/2020 | 05:54

Sinto muito informar, mas o Brasil não acontece só depois do Carnaval. Esta frase dita repetidamente para adiar as responsabilidades, principalmente o trabalho, é muito prejudicial: inclusive, vamos lembrar que o próprio Carnaval é gerador de empregos e oportunidades em vários setores. Aproveitem.

A reflexão que quero trazer hoje aqui nesta coluna é sobre o colaborador que mente, falsifica atestado médico, que vai trabalhar de ressaca e principalmente (e não menos pior), sobre alguns comportamentos registrados em redes sociais.

Não quero aqui pregar a moral e cuidar da vida das pessoas, pois todos temos direito a diversão. O que quero jogar luz é para os casos em que o comportamento fora da empresa pode levar à demissão ou até mesmo à não contratação.

Redes sociais são, sim, fonte de informação sobre o colaborador/candidato, e as empresas cada vez mais procuram contratar pessoas que estejam alinhadas aos seus princípios. Em um Carnaval, por exemplo, um colaborador foi desligado de uma agência por postar uma foto em um bloquinho com uma legenda racista. Outro foi desligado da empresa onde trabalhava por fazer um “stories” assediando garotas durante o carnaval.

Estima-se que no Carnaval, de acordo com dados da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH), os atestados apresentados crescem em até 20%. Obviamente que, sendo verdadeira a causa do afastamento, o trabalhador tem o direito de ficar em repouso. Mas, caso não seja, pode acarretar inclusive em uma demissão por justa causa.

Empregadores estão atentos se as postagens publicadas pelos colaboradores condizem ou não com a licença médica. Muitos juízes do trabalho confirmam que as demissões por justa causa em virtude de publicações em redes sociais têm se tornado rotina e, caso o empregador suspeite de fraude, pode solicitar esclarecimentos ao médico que atestou.

Vamos lembrar que o fornecimento e a apresentação de atestado falso podem configurar ilícito civil e criminal, tanto por parte do médico, quanto por parte do empregado. Aproveitem o Carnaval, e cuidado com as publicações nas redes sociais. Assédio é crime e atestado médico falso também.

VÂNIA MAZZONI é diretora de RH


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/folia-e-desemprego/
Desenvolvido por CIJUN