Opinião

Guaraci Alvarenga: A maior história de todos os tempos


Todos os seguidores das pegadas de Jesus, cada um dentro de seus princípios cristãos, nesta época do ano celebram sua vida, morte e ressurreição. Há dois mil anos seus ensinamentos continuam vivos. O Mestre fez das palavras uma força avassaladora, que contagiava a todos que o cercavam. Ao dar confiança aos incrédulos, crença nos descrentes, tolerância e compreensão aos fracos de espírito, o Rabi da Galileia, sempre se serviu de exemplo. Provou no silêncio de suas preces que seu reinado era apenas o império dos simples e dos humildes. E que seu mundo não é aqui, mas sim, o reino dos céus. Pregou exaustivamente o amor entre os seres humano e jamais poderemos avaliar a profundidade de sua passagem entre nós. Jesus estava disposto ao sacrifício pela humanidade. "Todavia, não seja como eu quero, e sim como tu queres" (Mt. 26:39). Sua decisão que anunciou aos seus seguidores: "Eis que subimos para Jerusalém e o Filho do homem será entregue aos principais sacerdotes e escribas. Eles o condenarão à morte. E o entregarão aos gentios para ser escarnecido, açoitado e crucificado; mas no terceiro dia ressurgirá" (Mt20. 18.19). Estes são os acontecimentos da Paixão e da Páscoa. A Paixão imorredoura de Cristo pela humanidade e a vitória da ressurreição. A Páscoa abre oportunidades de revermos crenças, questionar ideologias e mudar atitudes. Ressalta-se importante, como diria o mais sábio, não é a chegada, mas o caminho a ser percorrido, com dedicação e fé na vontade de Jesus. Em verdade, a Páscoa traz em nossos corações a aproximação da gratidão a todos àqueles que nos enchem a vida de alegria e solidariedade. Este ano, machuca-nos o distanciamento social. Nossos queridos familiares, os adoráveis netos e os amigos de sempre. Meus adoráveis netos: guardarei seus ovos de Páscoa. Quero entregá-los olhando para seus olhos. Estes radiantes olhos que me seduzem de alegria e felicidade. Rezo a todos nós e a santa crença da lembrança daqueles, que já se foram e nos esperam de abraços abertos para a vida eterna. Que esta Páscoa seja celebrada, tão somente, que a morte e ressurreição de Cristo sejam lembradas apenas pelo amor que nos inspirou, ensinou e dedicou. Assim como a dor da Paixão há de se suceder à alegria da Páscoa, peçamos a Jesus, em sua infinita misericórdia, que faça o prelúdio de dias melhores, onde todos e cada um possam viver uma vida nobre e humana. Fique com Jesus! GUARACI ALVARENGA é advogado

Notícias relevantes: