Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Guaraci Alvarenga: Chegou, meu senhor!

GUARACI ALVARENGA | 08/02/2019 | 07:30

Lá no coração do bairro Vianelo há um espaço que conquistou a simpatia de boêmios, músicos, compositores, gente amiga, que gosta de curtir umas horas de alegria e diversão. Bar simples, ambiente pequeno, com mesinhas na calçada, mas bastante acolhedor. Foi neste ambiente, onde os frequentadores se tornavam cantadores de samba, boleros, rock n’roll, e o que se queria ouvir, que surgiu a inspiração de um bloco de Carnaval. Carmem Aline Nogueira, Mario Gragnani, Maria Serpa, Wilson Serpa, Luis Marighetto, Marcos Wesley, e o nosso internacional Rudy Gragnani, não se furtaram dos encontros para o entusiasmo carnavalesco. Como bons foliões, o sonho era ligar o nome do bloco à memória da cidade. Perto dali, a histórica Ponte Torta. Em 2012 o bloco alcançou as ruas. A concentração foi no bar Natura. O carnavalesco José Roberto Forner puxou o cordão pela primeira vez. O bloco seduziu foliões de toda parte. A Maria Ignez, a querida Ignezinha do Pandeiro, orgulho e glória de nossos carnavais, foi aclamada como rainha. O gigantismo do bloco cresceu tanto, que teve que abandonar seu percurso original para ganhar o palco do Centro histórico. Mais de cerca de 15 mil foliões. Fantasias, lentejoulas, cartolas, perucas, tiaras, coroas de rei, nariz de palhaço, gel neon, tapa olho de pirata, purpurinas, mascaras, deixaram o armário para brilhar, cativar e cair nos braços do povo. O carnaval se aproxima. As baterias se esquentam. O surdo toca alto. O rufar dos tambores. Sambas e marchinhas são agitadas: “a pipa do vovô não sobe mais/ maria sapatão sapatão/olha a cabeleira do Zezé/ você pensa que cachaça é água/ o teu cabelo não nega mulata, mulata eu quero o teu amor/ bandeira branca amor, não posso mais, pela saudade que me invade, eu peço paz/ mamãe eu quero, mamãe eu quero mamar/ o jardineira porque está tão triste/ oh abre alas, que eu quero passar/ me dá um dinheiro aí/ explode coração na maior felicidade/ lá vem Mangueira com Pixinguinha em seu altar/a cigana leu o meu destino o que será o amanhã/atrás da verde rosa só não vai quem já morreu/foi bom te ver outra vez. O reinado do Momo anuncia, mais uma vez, o Bloco da Ponte Torta, em nossos festejos carnavalescos. Ele vem mais forte. Mais animado. Mais colorido. Na letra de seu samba, te saúdo: “O bloco da Ponte Torta chegou, o meu senhor, foi num domingo de alegria e encanto/nosso bloco ensaiando samba, bolero e rock`nroll/ e foi nascendo no meio desse agito/este samba bonito e essa ideia pegou/ e a Ponte Torta vem trazendo sua história de passado e de gloria que se eternizou” Por certo esta alegre rapaziada vão balançar toda a cidade com um belo espetáculo de animação, cores e beleza. Que venha o Carnaval!

GUARACI ALVARENGA é advogado.. E- mail: guaraci.alvarenga@yahoo.com.br

GUARACI ALVARENGA


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/guaraci-alvarenga-chegou-meu-senhor/
Desenvolvido por CIJUN