Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Guaraci Alvarenga: Jogando nas estrelas

GUARACI ALVARENGA | 02/11/2018 | 07:30

A melhor homenagem que se presta aos que partiram antes de nós é não esquecê-los. O dia de hoje, abre as portas de uma doce memória. Companheiros da bola, que nos deixaram e que nos fazem uma sentida falta. Longos e felizes tempos de camaradagem e amizade. O palco, os campos do Clube Jundiaiense.

Logo apareceu a imagem luminosa do treinador Benoni Pires, tantas vezes campeão na cidade. No gol, o porte do grande Luiz Evaldo, o Tuim. Goleiro amigo de tanto tempo. Niki era o titular. Cotrim, o famoso guarda redes. Airton Pintado e Davi se revezavam. Na lateral direita, não menos a classe do Sudatti, advogado nas horas vagas, revezava com o primeiro dos alas, Abilio Viotto. A fantástica dupla de área, o querido Giuntini, mais lembrado como Fachetti, da seleção italiana e o mestre Vicentinho, irmão do nosso Taio e pai do Edu. E o zagueirão Porto. Arnaldo Massoti, o discreto.

Na lateral esquerda o incansável dentista Cabeção e Chiamarelli. Ali no meio campo a categoria que surpreende ao ver a silhueta do Santana, cabeça erguida, porte de atleta. Ao seu lado o magistral Helio Luis Lorencini, chamava a bola de “você”, nunca a maltratou. O jovem Guará Meirelles, raça e habilidade jogavam unidos. Um trio de ouro, em cujos pés, reluzia o brilhantismo da criação das jogadas. Pena Forte compunha o quadrado mágico.

Na ponta o flecha ligeira Macaco, certo que dividia meio tempo com o elegante Vagner de Moraes, o nosso eterno “champagne”. Vejam o camisa nove, sublime no trato da bola, talento dourado incomparável dos clássicos tempos, o craque Tito Livio. Lá na esquerda um dos nomes do futebol do clube, o incomum Lelo Basile, o nosso cabecinha de ouro. Olha o nobre Langela, orgulhoso da sua famosa filha, tenista internacional, Glaucia. O grande e elegante Cury. O centroavante rompedor o inesquecível Piracaia.

Tinha a valentia da impetuosidade dos goleadores. Rezaghi lembrava Vavá. O ponta João Gazola, o intrépido Jurandir da Antártica, o querido Jacaré. O lendário esportista Romão de Souza, o presidente que nos deu Marcel e Mauri, campeões mundiais. No centro do gramado, o inconfundível homem do apito daqueles tempos, o maior capitão deste centenário Paulista F.C, o idolatrado Martinelli.

Um por um, aqui estão reunidos personagens da minha própria fortuna pessoal afetiva. Este campo de sonhos guarda todos os sentimentos que o futebol cultivou em meu coração. Emociono-me ao recordá-los. Ainda hoje pulsam no meu peito as jogadas, as minúcias do drible, a elegância do toque de bola, os fantásticos gols, as sensacionais defesas e a camaradagem amiga.
Sobre suas imagens deito um olhar de profundo respeito. Eles fizeram deste esporte a nitidez da pureza de sua inocência. A bola como amante e amigos, por toda uma vida, além da eternidade.

GUARACI ALVARENGA é advogado. E-mail: guaraci.alvarenga@yahoo.com.br

GUARACI ALVARENGA


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/guaraci-alvarenga-jogando-nas-estrelas/
Desenvolvido por CIJUN