Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Guaraci Alvarenga: Mesa de bar

GUARACI ALVARENGA | 11/01/2019 | 07:30

Retornamos das festas. No domingo, reinava um esplendoroso sol. Na mesa do bar, o encontro dos velhos amigos. Já se disse que vale mais perder o tempo com os amigos do que perder amigos no tempo. O mais doce, Orlando Gazola, o Tigrão, Ivan Interglobe, Orides Russi, Pascoal Suenson, o Pitico, o Claudio Gomes se encantavam com os momentos felizes junto com os netos. A vida sorria em todos nós. Esta mesma vida cantada por todos aqueles que a amam.
Tom Jobim: ora vejam só, do jeito que eu fiquei e que tudo ficou, uma saudade tão grande nas coisas tão simples que você tocou; Adoniram Barbosa: Que tristeza que nóis sentia, cada tábua que caía, doía no coração; Sergio Bittencourt: E nos teus olhos, era tanto brilho, que mais que seu filho, eu fiquei seu fã; Gonzaguinha: Amar e cantar como se fosse um eterno aprendiz; Carlos Cachaça: Eu vejo a vida pela luz dos olhos teus…; Joubert de Carvalho: Maringá, para haver felicidade é preciso que a saudade vá bater noutro lugá..;Paulinho da Viola: Em Mangueira a poesia feito mar, se alastrou pelas belezas do lugar; Noel Rosa: Morre hoje sem foguete, sem retrato e sem bilhete, sem luar…sem violão; João Bosco: No dedo um falso brilhante, brincos iguais ao colar e a ponta de um torturante “bandaid” no calcanhar; Caetano Veloso: Caminhando contra o vento, sem lenço e sem documento, no sol de quase dezembro, eu vou; Gonzagão: Quando oiei a terra ardendo, quá fogueira de são joão, eu perguntei a deus do céu, ai purquê tamanha judiação; Dolores Duran: O abandono de flores se abrindo, ternura de mãos se encontrando; Nelson Cavaquinho: Tire o seu sorriso do caminho que eu quero passar com minha dor; Chico Buarque: A moça feia debruçou na janela pensando que a banda tocava para ela; Pixinguinha: Meu coração não sei porquê bate feliz quando te vê; Teddy Vieira: Neste pedaço de chão, berrante não toco mais; Roberto Carlos: Mas quase também é mais um detalhe; Max Nunes: Bandeira branca amor, não posso mais, pela saudade, que me invade eu peço paz; Ataulfo Alves: Eu era feliz e não sabia; Mario lago: Eu sem você, não tenho porque, porque sem você não sei nem chorar, sou chama sem luz, jardim sem luar, luas sem amor, amor sem se dar..; Geraldo Vandré: Eu venho lá do sertão e posso não lhe agradar, aprendi dizer não e ver a morte sem chorar; Lupicínio Rodrigues: Nunca mais vou fazer o que meu coração pedir; Orestes Barbosa: A porta do barraco era sem trinco e a lua furando nosso zinco, salpicava de estrelas nosso chão. Tu pisavas nos astros, distraída, sem saber que a ventura desta vida e a cabrocha o luar e o violão; Silvio Cesar: Ah se eu fosse você, eu voltava pra mim; Vinicius de Moraes: Que seja eterno, posto que é chama, infinito enquanto dure; Cartola: As rosas simplesmente exalam o perfume que rouba de ti; Martinho da Vila: Mas nenhuma delas me fez feliz como você me faz.
Um abraço gente querida. Vocês fizeram o domingo mais feliz!

GUARACI ALVARENGA é advogado. E- mail: guaraci.alvarenga@yahoo.com.br

GUARACI ALVARENGA


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/guaraci-alvarenga-mesa-de-bar/
Desenvolvido por CIJUN