Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Guaraci Alvarenga: Um bucólico lugar

GUARACI ALVARENGA | 22/06/2018 | 06:00

Fomos à festa dourada da Terra Nova. O bucólico bairro é rota turística da terra de Petronilha Antunes. Cercada por sítios dos antigos plantadores de café, a pequena comunidade preserva com naturalidade uma das raízes mais puras de nossa gente. A terra exala a vida do campo, a simplicidade e ingenuidade dos costumes, a tranquilidade e riqueza do contato com a natureza e o hábito peculiares de seus moradores. A localidade, cravada entre morros, com suas moradias simples, ruas estreitas e calçadas floridas, respira um puro romantismo. O cenário deslumbra paz e sossego, em contraste com o “corre-corre”, confusão e agitação da vida na cidade. No convite, o singelo nome de Zé do Café. A atração um dos nossos maiores nomes da canção: Moacir Franco. A festa, comemoração de meio século de existência!

COLUNISTAS GUARACI ALVARENGA

Pedi ao amigo radialista Afonso Pereira sua ajuda em conseguir os convites. Preço: dois quilos de alimentos não perecíveis. Caminho do coração para auxiliar 30 famílias em que a vida foi menos generosa. Como não admirar Zé do Café, um homem de sucesso, pai exemplar e marido companheiro. Amigo leal, fez do seu encantado pedaço de terra sua “menina dos olhos”. Como empresário, sua paixão é expandir.

LEIA OUTRAS COLUNAS DE GUARACI ALVARENGA

FAZENDO A DIFERENÇA | TARDE DEMAIS

CLIQUE AQUI E CONFIRA OUTRAS COLUNAS DE OPINIÃO DOS ARTICULISTAS DO JORNAL DE JUNDIAÍ 

Expandir a produção e gerar empregos. Como ser humano, ainda sobra tempo para ajudar os necessitados. Quem o vê no seu modo simples de ser e viver, sem ostentação, até no modo de se vestir, não pode julgar as reservas de generosidade, que mal esconde. Sua filha Patricia nos recebeu com uma doce atenção, que por certo não merecíamos. Casa cheia. O chope gelado, a leitoa pururuca, o frango grelhado, a polenta frita, o pastel, o nhoque, o macarrão e outras iguarias da nossa vida campestre seduziam ao mais exigente paladar.

A cortina se abriu. Surge o astro. “O sentimento não cala, a doença não sara, o seu amor ainda é tudo, tudo”. A plateia veio abaixo. A aristocrata Élida Furtado aproximou-se do palco com seu salto alto, com a mesma classe, por quem andou por Paris. Vi os olhos de Renato Furtado brilhar. A jovem Ivone não se lembrou da rua Oscar Freire e o dr. Marcio esqueceu os tribunais. O irmãozinho Suenson cantou junto com sua Fafa. Pitico trouxe sua Rita ao aconchego do peito. Meu filho Daniel abraçou sua querida Flavia. Bongiovani, com novo amor, cuidando do seu coração. Miriam encontrou minha mão, que a esperava. Dizem que o melhor sabor da vida está nas festas. Melhor com amigos. A tarde caía com este gostoso outono jundiaiense. Observei com carinho aquele lugar de fé da cidade. A abnegação daquela gente. A gratuidade do espírito. Que beleza, meu Deus. Bendita seja a vida!!!

GUARACI ALVARENGA é advogado. E-mail: guaraci.alvarenga@yahoo.com.br


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/guaraci-alvarenga-um-bucolico-lugar/
Desenvolvido por CIJUN