Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Guaraci Alvarenga: Unidos por acaso

GUARACI ALVARENGA | 03/05/2019 | 07:30

A palavra acaso, no conceito do nosso maior escritor Machado de Assis é destino, acontecimento fortuito, talvez um lance da Providência. No Clube Jundiaiense, há 37 anos, um grupo de amantes do futebol, seduzido pelo desejo de convivência camarada e amiga, que durasse enquanto as pernas cansadas não mais pudessem correr, marcou encontros com a amante bola, todas as terças- feiras.
Como diz o craque Shinna, a redondinha traz um especial encanto, encanto de unir forças e energias, que estão além dos quatro cantos do gramado. Cresceu e se tornou um forte. Forte na união em campo e robusto em eventos assistenciais. As “feijoadas” e “rabadas” patrocinadas todos os anos, buscam minorar as necessidades dos que a vida foi menos generosa.
este feriado, assopramos mais uma velinha de aniversário. A festa foi um devaneio. Mais de 90 “craques” desfilaram pelos gramados do nosso querido Clube Jundiaiense. Cerca de 300 pessoas, entre elas esposas e filhos cantaram o “parabéns a você”. O uniforme gravado com os “37 anos” me emocionou, como um retrato de família. Contemplo cada semblante dos velhos companheiros, sem um pingo de pressa. Luiz Carlos Andrade, Mario Pandolfo, Gaê, Edgar, Flavio Del Pra, Zé Bissoli, Mosele, Belini, o medico Manni, Claudio Gomes, Paganini, Bongiovani, Carlinhos Cocada, Terrão, Nunes, Gimenez, Homero, Fernandão, Caiçara, Mauro, Braynner, Polini, Gute, Motta, Virlei, Marcussi, Ze Antonio, Don Stefano, Tocha. São personagens da minha própria vida afetiva. O transcorrer do tempo não os intimidou. Ao contrário, os revitalizou. Continuam com o dom de sonhar. Continuam hoje, ainda que, com os cabelos prateados pelo tempo, a desfilar sua arte no trato da velha senhora. À frente, os novos valores que mantem viva esta bela trajetória. Olha o administrador Belesso, Quequelo, Balota, Alexandre, Guilha, o grande Mi, Fernando, Márcio, o imperador Agnaldo, Pedrinho, os Biagi, Ferragut, Jaime, Carlão, Jorginho, Lino, o goleraço Cunha, Marcão, Ovídeo, meu zagueiro João Amadi. Fuá, Ary. Valho-me da reverência de reunir parte de personagens da própria história do UPA. São personagens da minha própria vida afetiva. A bola como companheira inseparável. Ela guarda todos os sentimentos, que vivi e vivo, jogando meu limitado futebol.
O que as recordações têm de bom e que talvez o futuro não tenha, é este dom serem intocáveis. E este ACASO, em cada momento vivido é um campo repleto de recordações. Mas quero comigo, bem perto de mim, os tempos que encerram esses rostos fatigados. São 37 anos. Eles me deram a felicidade de companheiros e amigos da bola, quando eu ainda ansiava por ser feliz. UPA, belo logotipo que se inventou, para se exaltar um grupo excepcional. Parabéns amigos!

GUARACI ALVARENGA é advogado. E- mail: guaraci.alvarenga@yahoo.com.br

 GUARACI ALVARENGA


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/guaraci-alvarenga-unidos-por-acaso/
Desenvolvido por CIJUN