Jornal de Jundiaí | https://www.jj.com.br

Liciana Rossi: Vamos avaliar o peso nas crianças?

LICIANA ROSSI | 17/11/2018 | 07:30

Chega esta época e as vitrines começam a mostrar os modelos novos de mochilas, uma mais linda que a outra. As mães acabam deixando seus filhos escolherem pelo personagem ou pela cor preferida. Por isso venho alertar que esta decisão deveria merecer um pouquinho mais de reflexão.
Quando utilizada corretamente, com o peso correto distribuído por todo o corpo, ombros e pescoço, as dores e lesões não são comuns. Mas quando se tornam excessivamente pesadas, acabam tensionando e encurtando músculos, prejudicam articulações, chegam as dores, principalmente na coluna, que se tornam frequentes, lembrando um ponto muito importante: as crianças estão em fase de crescimento.
Eu entendo que vários outros fatores podem contribuir para estes tipos de dores, como excesso de atividade física, má postura quando sentados ou quando jogam videogame, longos períodos de inatividade, porém precisamos lentamente educar cada um destes para proteger a saúde das nossas crianças desde cedo.
Médicos e fisioterapeutas recomendam que o peso das mochilas não ultrapasse de 10% a 15% o peso corporal. Uma criança que pesa 24kg deveria carregar no máximo 3,6kg. Já uma criança com 40kg deveria carregar 6kg no máximo. Na realidade, a grande maioria carrega muito mais do que isso, e andam bastante tempo com este peso nas costas.
Uma mochila excessivamente pesada faz com que haja um arqueamento da coluna, a cabeça é projetada à frente para ajudar no equilíbrio, a coluna é comprimida, a musculatura encurta na parte anterior do corpo e relaxa a região posterior, mantendo os músculos eretores fracos e alongados, estes não conseguirão desempenhar seu papel que é deixar a coluna ereta.
A musculatura abdominal que ajuda neste suporte encontra-se disfuncional. Toda a coluna acaba comprometida. Já, quando a criança carrega a mochila em um ombro apenas, sabe o que acontece? Ela acaba compensando esse peso extra vindo de um lado só no quadril oposto, arqueando a coluna e curvando-a lateralmente. Este peso todo acaba interferindo também na circulação, pois há compressão de nervos, o que pode levar à dormência, formigamento e fraqueza nos braços e mãos.
Até a maneira de caminhar é afetada pelo peso das mochilas. Fora o risco de quedas, principalmente nas escadas, ou mesmo nas ruas, já que o equilíbrio é afetado. As mochilas são ótimas quando utilizadas de maneira apropriada. Considere seu peso, quando for comprá-la, se há múltiplos compartimentos para distribuição do peso, duas alças largas e acolchoadas nos ombros, até um cinto na cintura pode ajudar a distribuir o peso pelo corpo.
Orientem seus filhos a carregarem somente o necessário e a carregarem da forma correta, nos dois ombros, com bom alinhamento da coluna. Muita saúde a todos.

LICIANA ROSSI é educadora física formada pela Esef Jundiaí; pós-graduada em treinamento físico pela Unicamp e ginástica corretiva pela FMU-SP; exercícios corretivos pela Academia Nacional de Medicina Esportiva – NASM/USA; CHEK Practitioner nível 2 Califórnia/USA; Holistic Life Style Coach/CHEK Institute/USA

COLUNISTA LICIANA ROSSI


Link original: https://www.jj.com.br/opiniao/liciana-rossi-vamos-avaliar-o-peso-nas-criancas/
Desenvolvido por CIJUN